Terremoto no Haiti é o mais destruidor, diz BID PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Wednesday, 17 February 2010 00:00

Banco chega à conclusão ao considerar número de mortes em relação à população Órgão estima gastos com reconstrução em até US$ 14 bilhões e alerta para risco de danos à economia local, pelo alto fluxo de ajuda externa

 

A reconstrução do haiti após o terremoto de 12 de janeiro pode custar até US$ 14 bilhões, o que, segundo o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), converte a catástrofe, em proporção à população, no desastre natural mais destruidor da era moderna.

A estimativa está em estudo divulgado ontem pelo banco, primeiro órgão multilateral a calcular os prejuízos causados pelo sismo. O estudo considera dados de outros desastres e variáveis como número de mortes, população e PIB per capita.

O BID estimou os danos a partir do número de 200 mil a 250 mil mortos ou desaparecidos -no último dia 11, o governo haitiano citou 230 mil.

Para um desastre com 250 mil mortos considerando aspectos demográficos e econômicos do haiti, o prejuízo é estimado em US$ 8,1 bilhões, podendo bater US$ 13,9 bilhões.

O valor equivale a quase todo o Orçamento 2010 do município de São Paulo (R$ 27,8 bilhões), ou mais do que o próprio PIB do haiti em 2009 medido em paridade de poder de compra, em US$ 11,6 bilhões.
No fim de janeiro, o governo brasileiro somava gastos de US$ 230 milhões com a ajuda ao haiti -cerca de R$ 430 milhões, valor que ascenderia a R$ 1 bilhão com doações privadas. A União Europeia, principal doadora, prometeu cerca de US$ 420 milhões.

Embora recomendem cautela com as estimativas, os autores defendem sua importância para mostrar à comunidade internacional o tamanho do esforço necessário para reconstruir o haiti. Os danos causados pelo tsunami na Indonésia em 2004, por exemplo, foram estimados em US$ 5 bilhões.

Uma tarefa dessa dimensão, diz o estudo, supera o alcance de qualquer agência ou doador individual, daí a importância da coordenação da ajuda.

Se o fluxo de recursos externos não for gerenciado de modo a evitar gargalos e distorções, poderá prejudicar a atividade econômica e o setor exportador local.

"Grandes fluxos de ajuda podem provocar alta de custos, apreciação real [do câmbio] e doença holandesa [perda de competitividade por excesso de capitais] elevando a dependência de ajuda", diz o estudo.

País mais pobre das Américas, com 80% da população nessa situação, o haiti ampliava suas exportações (12% em 2009), centradas (90%) em produtos manufaturados como têxteis. O estudo defende medidas para manutenção de empregos em setores exportadores e em outros em crescimento, como o turismo.

O próprio presidente do haiti, René Préval, disse nesta semana que a ajuda externa não deve competir com a produção local, mas ser canalizada para criação de empregos.

Fonte: Folha de S. Paulo - DA REDAÇÃO

 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2019 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.