Irã apresenta plano nuclear à ONU e cobra aval das potências PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Tuesday, 25 May 2010 13:17

 

 

EUA responderão nos próximos dias; Brasil ironiza críticas

 

O Irã apresentou ontem formalmente à AIEA (agência nuclear da ONU) a proposta elaborada sob mediação do Brasil e da Turquia para romper o impasse acerca do seu programa nuclear e cobrou que as potências aprovem o acordo para "restaurar a confiança".

A AIEA agora levará a oferta aos principais negociadores -EUA, França e Rússia.

Um porta-voz do governo americano disse que Washington, Paris e Moscou apresentarão uma resposta conjunta nos próximos dias.

Os dois primeiros já sinalizaram que rejeitarão a oferta, apesar de ela atender a exigências formuladas por escrito pela Casa Branca -como o compromisso do Irã junto à AIEA, já oficializado.

Sob pretexto de que o plano não supõe o fim do enriquecimento de urânio pelo Irã, os EUA mantêm planos de aprovar em junho no Conselho de Segurança uma resolução para reforçar sanções econômicas a Teerã.

A França diz ter apoio suficiente para aprová-las.

Na carta entregue ontem pelos embaixadores iraniano, brasileiro e turco na AIEA ao diretor-geral da agência, Yukiya Amano, o Irã diz esperar que EUA, França e Rússia respondam positivamente ao plano finalizado durante visita de Luiz Inácio Lula da Silva a Teerã no dia 17.

Pelo acordo, o Irã se compromete a enviar 1.200 kg de seu estoque de urânio pouco enriquecido à vizinha Turquia para em um ano receber de volta 120 kg do material processado a 20% para uso em pesquisa médica.

Ao aceitar os termos do pacto, Teerã atende a pedido das potências para que o seu urânio não seja enriquecido dentro do próprio território.

No seu programa de rádio "Café com o Presidente", Lula enviou ontem uma mensagem às potências.

"Nós não fomos lá [ao Irã] para negociar acordo nuclear. Não temos procuração para isso. Fomos lá para tentar convencer o Irã a aceitar sentar à mesa de negociações e isso conseguimos."

Em Brasília, o chanceler Celso Amorim e o assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia, ironizaram ontem os críticos do acordo trilateral.

Segundo Amorim, "o presidente [Barack] Obama foi quem primeiro pediu ao presidente Lula para se interessar por essa questão".

Para Garcia, só "os fracassomaníacos, incluindo alguns ex-diplomatas, falam num suposto fracasso".

O assessor se referia às críticas à mediação brasileira formuladas por diplomatas que ocuparam altos cargos no governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Garcia disse que o Brasil quis elaborar "um mapa do caminho" para as negociações, e, caso elas não tenham bons resultados, "outros" devem ser responsabilizados.
 

Fonte: Folha de S. Paulo 

 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2019 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.