Lula evitará interferir em crise entre vizinhos PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Friday, 06 August 2010 14:37
Tensão Ministerio da Defesa 11.9999 Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-ansi-language:#0400; mso-fareast-language:#0400; mso-bidi-language:#0400;}

 

Em reunião com Chávez, brasileiro não deve tentar reaproximar Venezuela e Colômbia, pois quer deixar o caso na Unasul

 

A crise entre Colômbia e Venezuela será parte importante do encontro bilateral entre os presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez em Caracas, hoje. O brasileiro não deve se aprofundar na questão, que quer ver discutida dentro da UNião de Nações Sul-Americanas (Unasul).

 

Apesar de propor a mediação da disputa entre Caracas e Bogotá, que acusa o governo venezuelano de dar abrigo às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Lula não deve apresentar uma proposta específica a Chávez.

 

O governo brasileiro discorda do plano levado pelo chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, à reunião do Mercosul na Argentina nesta semana, porque ela prevê operações de pacificação dentro da Colômbia. O Planalto vê isso como ingerência nos assuntos internos da Colômbia. O mesmo foi dito pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe, ao rechaçar a ideia.

 

Lula, porém, reforça sua crença de que "as Farc são um problema da Colômbia" - nos dois sentidos que isso pode ser interpretado: ninguém deve se intrometer em assuntos internos da Colômbia e não há provas da presença das Farc na Venezuela, como insiste o governo brasileiro.

 

Lula segue ainda hoje para Bogotá, onde irá à cerimônia de posse do presidente eleito Juan Manuel Santos, amanhã.

 

Para Francine Jácome, diretora executiva do Instituto Venezuelano de Estudos Sociais e Políticos, apesar de Lula ser visto como pró-Venezuela, evita se posicionar nesta ocasião. "Ele quer enfatizar que o conflito deve ser resolvido de forma institucional pela Unasul, fortalecendo o foro", diz. "E é bom ganhar tempo, pois melhoram as chances de o conflito ser resolvido no governo Santos, que vem dando sinais de flexibilidade, e não haverá mais o embate entre as personalidades Chávez e Uribe". / P. C. M.

 

Para lembrar

 

Na semana passada, uma nota do governo colombiano "deplorou" a visão do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, por tratar a crise entre Colômbia e Venezuela como um caso de "assuntos pessoais" e "ignorar a ameaça" que a guerrilha representa para a região. O protesto colombiano foi uma resposta à declaração do brasileiro de que o conflito entre Bogotá e Caracas era só "verbal". Lula também defendeu que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) são um problema apenas de Bogotá. Uribe acusa o presidente Hugo Chávez de conivência com os guerrilheiros colombianos. Chávez nega.

Fonte: O Estado de São Paulo

 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2019 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.