Brasil já é o maior importador de armas da França PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Friday, 08 October 2010 13:58

 

 
 

 

Compras militares dão salto de 3.700% em quatro anos, resultado sobretudo da aliança entre Lula e Sarkozy. País ainda não definiu se comprará aviões de caça franceses Rafale; Suécia e EUA também disputam o contrato.

O Brasil é hoje o maior importador de armamentos da França -mesmo antes da definição do governo sobre a compra dos caças franceses Rafale-, segundo relatório divulgado anteontem pelo Ministério da Defesa francês.

Os números mostram pela primeira vez o impacto da aliança diplomática e militar firmada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega francês, Nicolas Sarkozy, nos últimos anos.

Os contratos assinados entre os dois países entre 2005 e 2009 já somam 5,5 bilhões (R$ 12,8 bilhões).

Com isso, entre os anos de 2008 e 2009, o Brasil passou do nono para o primeiro lugar do ranking mundial de importadores- batendo parceiros históricos da França, como Arábia Saudita e Índia.
As importações brasileiras de armas da França saltaram de 101 milhões, em 2005, para 3,8 bilhões, em 2009, salto de 3.700%.

O relatório francês revela que a predominância do Brasil se deu graças sobretudo à aquisição de submarinos do tipo Scopèrne.

À Espera dos Caças

A parceria já vinha sendo delineada sob o governo Jacques Chirac (2006).

Mas chegou ao seu auge em 2009, quando o francês visitou o Brasil e selou contratos para a venda de quatro submarinos convencionais, por 415 milhões cada, e a montagem de uma embarcação com reator nuclear brasileiro ( 2 bilhões).

Também foi fechado um contrato de 1,8 bilhão para a aquisição de 50 helicópteros EC-725 de transporte.

A França aposta, agora, na decisão do governo brasileiro para fechar o primeiro contrato de exportação dos caças franceses Rafale, produzidos pela Dassault.

Estão na disputa também modelos de EUA e Suécia, mas o Ministério da Defesa brasileiro defende o acordo com os franceses para dar prosseguimento à parceria estratégica.

A decisão final é do presidente Lula, que, segundo o ministro Nelson Jobim (Defesa), irá tomá-la com seu sucessor, após novembro.

O Ministério do Desenvolvimento do Brasil não divulga valores de importação de armas estratégicas.

As compras de armas comuns (fuzis, bombas e artilharia) feitas pelo Brasil de diversos parceiros subiram de R$ 8,5 milhões em 2005 para R$ 46 milhões em 2009, um aumento de 440%.

A conta exclui equipamentos pesado, como submarinos e aviões.

O relatório mostra ainda que a França exportou, em 2009, 7,2% dos armamentos no mundo, somando 8,6 bilhões. Ficou atrás dos EUA, responsáveis por 52% das exportações mundiais, do Reino Unido, com 13,4%, e da Rússia, com 8,4%.

Fonte: Folha de S. Paulo - ANA CAROLINA DANI

 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2019 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.