Jobim e Gates assinam acordo Print
Written by Administrator   
Tuesday, 23 November 2010 12:39

 

 Na Bolívia para participar da IX Conferência de Ministros de Defesa das Américas, o ministro brasileiro, Nelson Jobim, e o secretário norte-americano, Robert Gates, assinaram um acordo sobre segurança de informações militares, durante um encontro bilateral. A aproximação se dá menos de um mês depois de Jobim ter criticado duramente a atuação dos Estados Unidos na parte sul do Oceano Atlântico. Segundo o próprio site do Departamento de Defesa, o encontro entre Jobim e Gates “confirmou o espírito profundo e colaborativo da relação militar entre os EUA e o Brasil”. Os dois países estariam, ainda segundo o órgão americano, trabalhando juntos em segurança cibernética, conduzindo intercâmbios militares e cooperando em ciência e tecnologia.

“Essas são áreas — principalmente a segurança cibernética — de grande preocupação e interesse de ambos países”, afirmou um alto funcionário do departamento. Detalhes sobre o novo “acordo de troca de informações”, no entanto, não foram divulgados nem pelo órgão americano nem pelo ministério brasileiro. Gates e Jobim também discutiram sobre as dificuldades no Haiti e o trabalho dos militares brasileiros na missão de paz da ONU. “O secretário elogiou os brasileiros pelo esforço e compromisso contínuo para lidar com o que é indiscutivelmente um ambiente muito difícil e desafiador”, afirmou o funcionário. No início do mês, Jobim criticou alianças militares entre a América do Sul e os Estados Unidos, e a atuação norte-americana na região. “A defesa da América do Sul só quem faz é a América do Sul”, disse.

Ontem, quem não poupou críticas a Washington foi o presidente boliviano, Evo Morales, que, na abertura da conferência, disse que ninguém o “proibirá de negociar com qualquer país do mundo”. No dia anterior, Gates afirmou que os países latino-americanos que negociam com o Irã para desenvolver capacidades nucleares, como a Bolívia, devem ser cautelosos sobre os motivos reais de Teerã. (IF).

Fonte: Correio Braziliense