S-3 Viking encerra carreira na U.S. Navy PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Tuesday, 03 February 2009 12:31

U.S. Navy Aposenta o Último Lockheed Martin S-3B Viking em Serviço na Esquadra;

Aeronave Multi-Missão Embarcada completou uma Carreira de 35 Anos

 

   
 

            NAS JACKSONVILLE, Fla. --- A U.S. Navy aposentou o último Lockheed Martin S-3 Viking do serviço ativo na esquadra em uma cerimônia nesta manhã, concluindo sua distinguida carreira naval.

O desenvolvimento do S-3 começou em agosto de 1969, e o primeiro vôo ocorreu em 21 de janeiro de 1972. O Sea Control Squadron 41 (VS-41), a unidade de treinamento do S-3 tambpem conhecido como “ The Shamrocks”, foi a primeira unidade operacional de S-3, recebendo suas primeiras aeronave em fevereiro de 1974. Um total de 187 S-3s foi construído (oito aviões de teste e 179 células operacionais) entre 1971 e 1978. Ao longo de sua carreira, o Viking serviu em 18 esquadrões da U.S. Navy acumulando perto de 1.7 milhões de horas de vôo.

"O S-3 Viking era conhecido como o “Canivete Suíço da Aviação Naval” cumprindo uma grande variedade de tarefas distintas durante sua vida operacional na U.S. Navy," disse Ray Burick, vice presidente da Lockheed para os programas P-3/S-3. "O Viking participou de forma chave na guerra anti-submarino e anti-superfície embarcada, assim como nas operações contra alvos terrestres, reabastecimento, designação de alvos, e reconhecimento eletrônico. Sem dúvida a Lockheed Martin se orgulha do papel que como empresa seguirá prestando às importantes missões embarcadas da U.S. Navy, uma vez que muitas destas missões serão confiadas ao novo F-35C Lightning II."

O primeiro S-3 foi construído na fábrica da então-Lockheed Aircraft Co. em Burbank, Califórnia., e foi transportado, num caminhão, até a outra fábrica da empresa em Palmdale, no mesmo estado, para efetuar seu primeiro vôo.  Os pilotos de prova John Christiansen e Lyle Schaefer pilotaram ele nesta ocasião, disparando um programa de testes de 26 meses. Entre suas notáveis inovações, o S-3 foi a primeira plataforma de guerra antisubmarino (ASW) a copntar com um sistema acústico computadorizado.

O Sea Control Squadron 29 (VS-29), conhecido como “Dragonfires”, realizou o primeiro deployment a bordo do USS John F. Kennedy (CVN-67) em julho de 1975. A frota de S-3 superou a marca de 100,000 horas de vôo menos de dois anos após este primeiro deployment.

Vários derivados do S-3 realizaram um grande numero de missões na U.S. Navy. Sete células foram modificadas em aeronaves US-3A Carrier Onboard Delivery (COD), capazes de carregar 2,125 Kg. de carga. O ES-3A Shadow foi projetado como aeronave de reconhecimento eletrônico da esquadra, substituindo, assim, o EA-3B. Dezesseis células foram modificadas para a configuração ES-3A, sendo que o primeiro Shadow plenamente operacional voou em maio de 1991. O desenvolvimento do avião-tanque KS-3A se iniciou em 1979; ainda que o KS-3A nunca tenha sido colocado em produção,

Ele comprovou a viabilidade do conceito de reabastecimento "buddy tanking" (o reabastecimento aéreo usando casulos carregados sob as asas),  sistema posteriormente aplicado à maioria dos S-3s.  No ponto alto de sua carreira operacional, na segunda Guerra do Golfo, os S-3 transferiram quase quatro milhões de quilos de combustível para aeronaves da Coalizão.

O modelo S-3B era um grande salto adiante quando comparado com o modelo inicial. Ele foi desenvolvidoi no início da década de 80 para melhor detectar os submarinos soviéticos, para identificar alvos e lançar armamento de longo alcance [standoff weapons]. O S-3B voou pela primeira vez como protótipo em em setembro de 1984. Durante a segunda Guerra do Golfo, um S-3B do VS-38, os “World Famous Red Griffins”, executou a primeira missão real de ataque do S-3, deabilitando o iate oceânico de Saddam Hussein com um míssil antisuperfície de guiagem laser Maverick. Em 2003, um S-3B do VS-35 se tornou a primeira aeronave da U.S. Navy a usar o call sign  “Navy One” ao carregar o ex- presidente George W. Bush até o USS Abraham Lincoln (CVN-72).

Sob o programa de manutenção integrada de S-3 (Integrated Maintenance Program - IMP), pessoal da Lockheed Martin e da U.S. Navy trabalharam lado-a-lado para executar a manutenção e reparos de nível parque nos S-3s de forma a devolve-los o mais prontamente possível à frota operacional. O programa se iniciou em 2001, inicialmente como uma maneira de diminuir a carga de trabalho dos parques de manutenção da Naval Aviation. O IMP aumentou a disponibilidade operacional da frota de S-3 em 53 por cento e reduziu

A carga de manutenção em 47 por cento quando comparado com o procedimento de manutenção tradicional. O IMP também causou uma redução dos custos para a Navy. Um total de 149 aeronaves passou pelas inspeções do IMP, e quase todas foram devolvidas à marinha Americana no, ou mesmo antes, do prazo acertado. O programa encerrou-se em 2007, junto com o processo de retirada de serviço do Viking.

O S-3 Viking será lembrado por sua capacidade operacional, sua flexibilidade e sua confiabilidade," disse Burick. "A aeronave serviu à U.S. Navy impecavelmente por mais de três décadas. Nós saudamos todos aqueles que voaram ou cuidaram no solo dos Viking."

O laboratório Glenn Research Center da NASA, localizado perto de Cleveland, Ohio, atualmente tem quatro S-3B Vikings, realizando vôos de apoio à pesquisa  sobre situação de congelamento durante o vôo.  È provável que quatro S-3Bs permanecerão em serviço na Navy, ainda que seja apenas numa função de apoio na Divisão de Armas do Naval Air Warfare Center em Point Mugu na  Califórnia.

Fonte: Lockheed Martin Aeronautics Company; 30 de janeiro de 2009

Last Updated on Tuesday, 03 February 2009 12:42
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2021 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.