Brasil terá seu veículo aéreo não tripulado PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Friday, 27 March 2009 11:33

 

 

Virgínia Silveira, para o Valor

de São José dos Campos 

O Brasil prepara-se para atingir o domínio tecnológico na área de veículos aéreos não tripulados (VANT). A empresa Avibrás recebeu R$ 18 milhões da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) para desenvolver um VANT com aplicação civil e militar nas áreas de reconhecimento, monitoramento ambiental, inspeção de linhas de transmissão de energia elétrica, tubulação de gás, tráfego urbano, entre outras.

A parte eletrônica do VANT brasileiro, envolvendo o seu sistema de navegação e controle, foi testada com sucesso em seis voos, realizados em dezembro, em uma plataforma de pequeno porte, de propriedade da Força aérea Brasileira (FAB). Iniciado em 2005, o VANT é um projeto desenvolvido pelo Comando-geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), Centro Tecnológico do Exército (CTEx), Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM) e a Avibrás como parceira industrial.A primeira fase do projeto, que envolveu o domínio tecnológico das partes mais sensíveis do veículo, foi coordenada pelo CTA. A FINEP destinou R$ 9 milhões para essa etapa. Foram realizadas quatro campanhas de ensaios dos sistemas e um total de 27 voos, na aeronave Acauã, desenvolvida pelo CTA na década de 80, com três metros de envergadura. "A aeronave conseguiu fazer o acompanhamento do traçado do Rio Mogi-Guaçu em voo totalmente autônomo", disse o coordenador do projeto VANT no CTA, Flávio Araripe D´Oliveira.

Para a última campanha de testes em voo foram contratadas as empresas Flight Technologies (piloto automático), BCC- Bossan Computação Científica (software embarcado) e Johansen Engenharia (engenharia de sistemas). Todos os voos tiveram ainda o acompanhamento de um helicóptero CH-55 Equilo, do Grupo Especial de Ensaios em voo, do CTA."

Caberá a Avibrás o desenvolvimento de um VANT operacional, de média altitude e 15 horas de autonomia de voo", explicou. A fase de certificação do VANT, segundo o CTA, tem uma previsão de absorver mais R$ 80 milhões, mas os recursos ainda estão sendo negociados. O desenvolvimento de veículos aéreos não tripulados no Brasil conta com o apoio da FINEP, através do programa de subvenção econômica, que liberou R$ 80 milhões para 31 projetos considerados estratégicos. Dentre esses projetos, foram selecionadas seis propostas relacionadas a veículos aéreos não tripulados.

Os projetos de VANTs no Brasil ganharam impulso tendo em vista um mercado que movimenta cerca de US$ 8 bilhões por ano, segundo Oliveira. "Até 11 de setembro de 2001, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos investia uma média de US$ 200 milhões a US$ 300 milhões por ano na área de UAV (unmanned aerial vehicle). Atualmente esses valores ultrapassam os US$ 3 bilhões anuais."

No Brasil existem mais de 10 iniciativas públicas e privadas na área de VANT. Entre elas está a da Flight Solutions, que desenvolve um VANT de curto alcance, com aplicação em reconhecimento para o Exército brasileiro. A empresa, que iniciou suas atividades em uma incubadora de tecnologia aeroespacial, hoje está instalada no Parque Tecnológico de São José dos Campos. A empresa AGX, em parceria com a Universidade de São Carlos e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está desenvolvendo um VANT para aplicações agrícolas, como por exemplo, observação de safras.

 

Nos Estados Unidos os veículos aéreos não tripulados ou UAVs recebem a denominação 3D, como referência ao tipo de missão desempenhada por este tipo de aeronave: dull (enfadonha), dangerous (perigosa) e durty (suja). No próprio nome já é possível identificar as vantagens operacionais das aeronaves sem piloto: voos longos, sem restrição (algumas aeronaves VANT, como o americano Global Hawk, realizam missões de até 40 horas); acesso a locais com risco de contaminação ou próximas a áreas vulcânicas, por exemplo; e regiões em situação de guerra, com alto risco de abate pelo inimigo.

O desenvolvimento de VANT também integra a lista de prioridades da nova política de defesa nacional do governo. A Polícia Federal, de acordo com Oliveira, lançou recentemente uma procura internacional de VANT com aplicação em reconhecimento e equipados com sensores de infra-vermelho e radar capaz de enxergar alvos em condições atmosféricas adversas. "Num prazo de dois a três anos teremos no Brasil um sistema completo de VANT de reconhecimento, desenvolvido com tecnologia brasileira e industrializado por uma empresa nacional", disse.

 

A Avibrás, segundo ele, tem grande potencial de exportação do VANT para os clientes que utilizam seu sistema de lançamento de foguetes Astros II. "Os usuários do sistema Astros querem saber, com precisão, onde estão caindo os foguetes depois de lançados. Isso normalmente é feito hoje com soldados em terra e aeronaves". O VANT, de acordo com Oliveira, é quase um complemento de imagens de satélites, com a vantagem de ter um custo bem mais baixo.

Last Updated on Friday, 27 March 2009 11:44
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2021 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.