Nova Explosão Nuclear na Coréia do Norte PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Tuesday, 26 May 2009 10:44
 
 
 

Nova Explosão Nuclear na Coréia do Norte


Washington e Pequim são desafiadas pelo regime de Pyongiang

Em resposta à imposição de sanções econômicas por parte das Nações Unidas, o regime da Coréia do Norte, comandado por Kim Jong Il, conduziu nesta segunda-feira uma nova experiência com a explosão de um dispositivo atômico no país.

A explosão desta nova bomba (que foi detectada em vários países) foi de uma potência superior à que tinha sido detonada em 2005. Desta vez os especialistas na área afirmaram que aparentemente se tratou de um artifato experimental, com uma potência relativamente reduzida, e várias vezes inferior à potência da bomba atômica de Hiroshima, que é normalmente considerada como referência para medir a potência das explosões nucleares.  A explosão agora detectada, embora de maior amplitude, continua no entanto a ser considerada pequena para os padrões da atualidade.

Embora seja na prática um desafio à comunidade internacional, vários analistas internacionais apontam que o principal alvo das autoridades da Coreia do Norte, não são os Estados Unidos, mas sim a China.

O governo da Coréia do Norte não tem sido afetado pelas sanções internacionais que são decretadas pelos vários países do mundo, dado o nível de pobreza e miséria tal que apenas o corte no abastecimento de matérias básicas poderia ser sentido pela população.

Para evitar que a fome se instale, como aconteceu há alguns anos atrás, a China tem ajudado a garantir a sobrevivência do regime da Coréia do Norte, com receio de que um colapso total do regime norte-coreano possa resultar num flagelo de milhões de refugiados em direção à todas as fronteiras.

No entanto, os dirigentes norte-coreanos, interessados em mostrar o seu controle sobre a situação e mantendo-se ferozmente independentes nos seus propósitos, tem dado sinais de algum distanciamento relativo aos chineses, nomeadamente atos que a própria China considera como de pouca praticidade.

Assim, a Coréia do Norte estaria a demonstrar a sua independência face à China e ao mesmo tempo a condicionar o governo de Pequim a manter o seu apoio implicito a Pyongiang, sob pena desta opção poder acabar criando mais problemas aos chineses na região.

O acesso da Coréia do Norte à tecnologia nuclear é visto pelos chineses como um problema, porque a China teme a possibilidade de que em resposta à Coréia do Norte, o também vizinho Japão opte por uma posição mais dura, alterando sua postura e sua política quanto a armamentos nucleares. Tal mudança poderia levar o Japão a criar a sua própria força de dissuasão(ataque) nuclear, o qual passaria a ser mais problema para a China.


Além do Japão, também a Coreia do Sul mantém forças convencionais poderosas e constantemente modernizadas e a possibilidade assusta os políticos. No pior dos cenários, se a Coréia do Norte levasse a Coreia do Sul e o Japão a implementar forças de dissuasão nuclear, aquela passaria a ser a região mais explosiva do mundo, com quase todos os países (Rússia, China, Coréia do Norte, Coréia do Sul e Japão) a possuir esse tipo de arma de destruição em massa.

Taiwan, seria a única exceção na região. E mesmo Taiwan, que a China considera como seu território, poderia considerar aquela solução de armamento. 

Nota Alide:  Apesar de Taiwan não possuir (pelo menos oficialmente) armas nucleares, esta república possui vários reatores nucleares para fins civis, mas aparentemente domina todos os estágios de tal tecnologia, pois possui um órgão militar de pesquisa e tecnologia voltado especificamente para armamentos nucleares, desde 1964, após o primeiro teste nuclear pela China. 

Edição: Edson Chen 

Fontes: http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=756

http://www.globalsecurity.org/wmd/world/taiwan/nuke.htm

  
Last Updated on Tuesday, 26 May 2009 10:53
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2021 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.