Simuladores permitem interação do público com equipamentos militares PDF Print E-mail
Written by Administrator   
Thursday, 18 October 2012 10:35



A sensação de comandar um navio ou um pilotar avião militar brasileiro pode ser vivenciada pelo visitante da 9º edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT/DF). Os estantes da Aeronáutica e da Marinha oferecem três ferramentas utilizadas no treinamento de cadetes e aspirantes: os simuladores de voo e navegação e o Girotec.

Segundo o capitão de Corveta (tipo de navio de pequeno porte, utilizado pela Marinha), Claudio Coreixas, o objetivo dos equipamentos é auxiliar e otimizar o treinamento considerando o tempo necessário de adaptação aos comandos. "A qualidade da familiarização com os instrumentos de navegação a bordo foi aperfeiçoada para reduzir o tempo de aprendizado no navio”.

O aspirante da Escola Naval da Marinha do Brasil no Rio de Janeiro recebe cerca de oito horas diárias de treinamento. Três delas são utilizadas para a familiarização no navio. "Com o simulador, conseguimos reduzir o tempo em uma hora. A partir de então, esta hora passou para o aperfeiçoamento de outras funções", explicou Coreixas.

Durante os quatro anos da Escola Naval os cadetes são submetidos a treinamento prático nas modalidades de Navegação Básica (onde o candidato a comandante deve seguir do ponto A ao B), Atracação ao Cais, Ancoragem de Navio (denominada como Fundeio na Marinha), Manobras Táticas (como formação antiaérea) e Homem ao Mar (características do vento, ordens aos timoneiros, tempo de manobra).

O navio utilizado para treinamento prático dos futuros comandantes tem capacidade para 18 tripulantes por dia. Nos três navios disponíveis para esta finalidade, apenas 54 aspirantes são submetidos à atividade diariamente. "Considerando que a escola conta com 800 aspirantes por ano, divididos em quatro turmas de 200 cada, o desenvolvimento da tecnologia foi fundamental para otimizar o tempo de treinamento”, disse o capital de Corveta.

Segundo Coreixas, o simulador foi desenvolvido como tese de mestrado. "A Marinha requer conhecimentos específicos para seus comandados. Por entender que seria importante conciliar a parte técnica com a operacional, me foi proposto o desafio de ser um especialista em programas de simulação para aplicação em treinamento”.

Ele ressalta que o simulador foi criado com o conhecimento adquirido no próprio treinamento. "Como eu já havia sido comandante deste tipo de navio que aparece no simulador e estava familiarizado com as dificuldades do treinamento, conseguimos produzi-lo com nosso próprio conhecimento". O capitão informou ainda que o simulador é fruto de trabalho científico, sem custo para a Marinha, pois conta com a utilização de software livre.

Aeronáutica

A utilização do simulador na Aeronáutica possui função semelhante. O que diferencia a formação dos aspirantes candidatos a pilotos dos cadetes é o Girotec. O objetivo deste equipamento é possibilitar o treinamento da orientação espacial dos aspirantes, com giro de 360° graus de três esferas metálicas. O aparelho oferece uma noção de voo ao piloto, o que inclui uma possível queda ocasional. "O conceito é o mesmo do sistema de girômetro utilizado para medir o deslocamento do eixo da terra", explica o capitão do Instituto de Estudos Avançados (IEAV), Reinaldo Flores Coelho.

O instrumento desloca o eixo de gravidade do corpo do piloto, testando seu raciocínio. Segundo Flores, quando o avião está de cabeça para baixo, todo o comando do avião deve ser racionalizado de maneira invertida para sua condução. "O Girotec e o simulador são complementares. Quanto mais acostumado ao primeiro, melhor desempenho você terá no segundo".

O teste consegue simular a situação real dos dois modelos de avião disponíveis no Centro Técnico Aeroespacial (CTA), com sede em São José dos Campos. Para treinamento, o aspirante pode ser submetido a voo no Tucano T25, já no segundo ano da academia, e ao T27, no quarto ano.

"Se não passar no simulador ao final do primeiro ano da academia, o aspirante não é aprovado e não segue no curso. Ele não tem acesso ao voo prático", destaca Flores. Este critério foi adotado, explica o capitão, porque atualmente os quatro anos da Academia da Força Aérea são correspondentes à formação no ensino superior.

Fonte: Ascom do MCTI




 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2021 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.