O Dixmude carrega uma grande força de blindados para o Mali Print
Written by Administrator   
Wednesday, 23 January 2013 03:21

 

23/01/2013

O Navio de Projeção e de Comando (BPC na sigla em francês) Dixmude zarpou de Toulon nesta segunda-feira levando em seu interior meios para reforçar significativamente a operação Serval, a intervenção militar francesa no Mali, para onde mais de 2.000 soldados franceses já foram mobilizados. O BPC da Marinha francesa embarcou elementos de um Grupo Tático Conjunto (Groupe Tactique InterArmées - GTIA - em francês) com muitos veículos do Exército, incluindo carros de combate AMX10 RC, mas também VBCI (Veículos Blindados de Combate de Infantaria), os VAB (Veículos precursores Blindados), VBL (veículos blindados leves) e outros caminhões. Estes meios vieram de regimentos diferentes localizados por toda a França.

Uma "estréia" para os BPC

Todos os veículos foram carregados no hangar, nos convéses de veículos e no convés de voo do Dixmude. Os soldados do Exército foram alojados nos inúmeros camarotes existentes para o transporte da tropa de desembarque no navio. Em poucos dias, essas unidades serão desembarcadas em um porto na África Ocidental, onde eles seguirão para o Mali. "Quando o alerta foi dado, os especialistas de bordo em operações anfíbias definiram um plano de carga, para embarcar os meios alocados e para espalhar pelos vários convéses os veículos e o resto do material das unidades do GTIA. Segundo o plano, o pessoal responsável por receber a carga se revezou continuamente durante todo o dia e a noite de domingo a fim de carregar veículos, material e contêineres. A tripulação do BPC, reforçada para esta ocasião, conduziu uma operação até então inédita para este tipo de navio expedicionário. Esta é a primeira vez que o BPC é utilizado em uma missão de transporte operacional, com este tipo de carga. Desde a doca até o convoo, nos convéses 1, 2 e 3, a camuflagem dos veículos é visível por todos os lugares. A  rapidez da operação e a versatilidade do emprego do navio são os ativos que os BPCs e sua tripulação colocaram a serviço  a serviço do Estado-Maior-Geral das Forças Armadas para esta projeção marítima ", sublinhou a Marinha.

"Uma projeção descomunal, nunca se havia feito isso"

Utilizando um dos três BPCs da Marinha, o Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, diversificou assim seus meios de  projeção dentro do programa de aumento das forças significa no contexto da escalada de poder dos meios alocados à operação Serval. Enquanto as forças iniciais foram mobilizados por terra desde a Costa do Marfim (estavam alocadas à operação "Licorne"), outras tenha sido transportadas do Chade via aérea, a partir do Chade ("Epervier") e da França continental ("Alerta Guepardo"), as aeronaves estão agora comprometidas com o transporte de tropas africanas componentes da Missão Internacional de Apoio ao Mali (MISMA) que acompanharão o Exército Francês na tentativa de reconquista, sob mandado da ONU, de todo o território norte do Mali, área controlada a quase um ano por grupos terroristas. A retomada de um país cuja área é de mais do que o dobro do território da França demanda meios significativos, onde os reforços ora encaminhados, com seu número e grau de poder são plenamente consistentes com tal missão. De acordo com os militares, a decisão do envio de veículos como os AMX10 RC e os VBCI, por exemplo, não deriva diretamente de uma resistência mais forte do que a prevista, mas reflete apenas uma lógica de emprego de meios. Dentro da necessidade emergencial de se parar a progressão de grupos terroristas para o sul do Mali, o exército francês deslocou pra o Mali inicialmente os seus recursos já presentes na região, helicópteros das forças especiais, aviões de combate baseados no Chade e unidades terrestres, veículos leves Sagaie, VAB e VBL. Então, quando se tornou claro que seria necessário acompanhar as tropas da MISMA na reconquista do Norte, meios complementares, cujo emprego já tinha sido decidido anteriormente, começaram a deixar a França. Percebe-se inclusive que depois do 11 de janeiro, o exército francês realizou um esforço superior para o deslocamento de todos os meios necessários em um período tão curto. "Essa é uma projeção totalmente fora do padrão. Nós nunca tínhamos feito isso antes em tão pouco tempo ", disse um oficial.

As capacidades do Dixmude serão empregadas durante o traslado

No ritmo atual das operações, as Forças Armadas francesas optaram por utilizar um BPC, mesmo que a entrega dos meios acabe exigindo vários dias. No entanto, este período é vantajoso se comparado com o tempo demandado por uma ponte aérea desde a França continental. Porque se, por exemplo VBCI seja aerotransportável, isso demandaria muitos vôos para entregar as dezenas de veículos deste tipo. No mesmo tempo o Dixmude pode, de uma só vez levar todas as unidades envolvidas e além disso aqueles veículos que por peso ou tamanho simplesmente não cabem nos aviões.

Com um comprimento de 199 metros e exibindo um deslocamento de 21.500 toneladas, os BPCs foram justamente projetado para projeção de forças, com uma capacidade de carga de 70 veículos (incluindo tanques) e mais 450 soldados, que serão desembarcados ou no cais do porto ou através as suas lanchas de desembarque (os navios da classe Mistral dispõem de doca interna (eles têm uma dois catamarans do tipo EDA-R ou quatro lanchas do tipo CTM). O Mistral, o Tonnerre e o Dixmude também podem embarcar 16 helicópteros pesados (atualmente não existem helicópteros a bordo, eles foram transportados até a Árica dentro de aeronaves militares de carga). Estes navios dispõem de uma grande infraestrutura hospitalar e de um espaço de comando grande, capaz de acomodar até 150 operadores. Este posto de comando também será utilizado durante o trânsito do Dixmude. "O Estado-maior do GTIA aproveitará das estruturas de comando e controle  que foram colocadas ao seu dispor especialmente a ampla área de Estado-Maior e dos meios de comunicação por satélite para ser sempre atualizado sobre as condições previstas para suas operações futuras." Da mesma forma, enquanto os veículos estejam sendo preparados e mantidos a bordo do BPC antes de enfrentar o trecho final do seu deslocamento pelas estradas africanas, os homens do Exército se beneficiam das instalações do navio para trabalhar, descansar e manter-se em forma: "O treinamento físico dos combatentes é mantida através das instalações esportivas do navio, como ginásio. Finalmente, as instruções e os briefings dos elementos do GTIA se sucederão para ampliar a compreensão da missão e o escopo de emprego de cada unidade. "

 

Nota de Alide: o emprego do BPC é interessante especialmente ao notarmos que o país Mali não tem uma costa oceânica própria. Inegavelmente esta é mais uma oportunidade da indústria francesa demonstrar aos potenciais clientes ao redor do mundo a grande eficiencia e adaptabilidade de seus produtos.ALIDE embarcou no Dixmude recentemente , não deixe de conhecer este poderoso meio naval aqui: http://www.alide.com.br/joomla/component/content/article/100-edicao-54/3711-dixmude-e-nava-missao-jeanne-darc

 

Fonte: Mer et Marine Não deixem de ver aqui imagens do embarque dos blindados franceses