A Cité de la Mer e o SSBN Le Redoutable PDF Print E-mail
Written by Felipe Salles e Leo Melo   
Wednesday, 17 June 2009 12:07

Cherbourg: A Cidade do Mar

Inaugurado em 28 de junho de 2002 a Cite de La Mer (Cidade do Mar) colocou a cidade francesa de Cherbourg no circuito das cidades européias que contam com um museu naval. E que museu!

 

mdlmeer_001
mdlmeer_001mdlmeer_001
mdlmeer_002
mdlmeer_002mdlmeer_002
mdlmeer_003
mdlmeer_003mdlmeer_003
mdlmeer_004
mdlmeer_004mdlmeer_004
mdlmeer_005
mdlmeer_005mdlmeer_005

Cherbourg

Cherbourg, que abriga um dos maiores e mais tradicionais portos da França, fica na região da Baixa Normandia, no norte da França, estrategicamente posicionada de frente para o Canal da Mancha e para a costa sul das Ilhas Britânicas. Atualmente a cidade conta com cerca de 40 mil moradores e abriga um dos maiores pólos industriais do estaleiro francês DCNS. Desde a idade média a região tem continuamente se desenvolvido em direção as oportunidades marítimas, tendo um estaleiro em operação desde 1862. Em Cherbourg esta empresa concentra todo seu desenvolvimento e fabricação de submarinos para a marinha local e para a exportação. Os Scorpenes para o Chile e para a Malásia foram parcialmente fabricados aqui e, neste momento, aqui está sendo construída a nova classe de submarinos nucleares de ataque franceses, os SNA da classe Suffren (ex-Barracuda).

 

mdlmeer_006
mdlmeer_006mdlmeer_006
mdlmeer_007
mdlmeer_007mdlmeer_007
mdlmeer_008
mdlmeer_008mdlmeer_008
mdlmeer_009
mdlmeer_009mdlmeer_009
mdlmeer_010
mdlmeer_010mdlmeer_010
 

A Gare Maritime

Em Cherbourg ficava o Terminal de Passageiros (ou, Gare Maritime, em francês) que foi inaugurado em 1933 sendo testemunha da era de ouro das viagens oceânicas levando os imigrantes europeus para a América, um belo monumento da arquitetura art-deco francesa. Este terminal era dividido em dois grandes blocos: um era o lado “Gare”, de onde partiam os trens para Paris, localizada a apenas três horas e meia de distância. O outro era o lado “Maritime” que dava acesso a dois navios atracados simultaneamente. Uma característica interessante desta construção era a existência de “fingers”, semelhantes aos que se usam atualmente nos aeroportos modernos, que permitiam a entrada/saída de mais de mil passageiros por hora. Originalmente o terminal media 240 metros de comprimento com 93 metros de largura, à época de sua construção ele era o segundo maior edifício na França, depois do Palácio de Versailles. 

 

mdlmeer_011
mdlmeer_011mdlmeer_011
mdlmeer_012
mdlmeer_012mdlmeer_012
mdlmeer_013
mdlmeer_013mdlmeer_013
mdlmeer_014
mdlmeer_014mdlmeer_014
mdlmeer_015
mdlmeer_015mdlmeer_015
 

 

mdlmeer_016
mdlmeer_016mdlmeer_016
mdlmeer_017
mdlmeer_017mdlmeer_017
mdlmeer_018
mdlmeer_018mdlmeer_018
mdlmeer_019
mdlmeer_019mdlmeer_019
mdlmeer_020
mdlmeer_020mdlmeer_020
 

Some-se a isso que o porto da cidade foi um dos principais da Europa no início do século XX. No verão de 1944, durante as batalhas pela libertação da cidade, o porto e o terminal pagaram um pesado preço. Os militares invasores alemães cientes do alto valor logístico representado por este terminal para o premente desembarque de tropas aliadas no continente europeu, procedeu a demolir, com dinamite, grande parte do lado sul do terminal, assim como todo sua torre do relógio de 70 metros de altura. 

 

mdlmeer_021
mdlmeer_021mdlmeer_021
mdlmeer_022
mdlmeer_022mdlmeer_022
mdlmeer_023
mdlmeer_023mdlmeer_023
mdlmeer_024
mdlmeer_024mdlmeer_024
mdlmeer_025
mdlmeer_025mdlmeer_025
 

No pós-guerra o terminal foi parcialmente reconstruído, sendo reinaugurado em 1952. No entanto, com o rápido desenvolvimento do transporte aéreo de massa, as viagens marítimas de passageiros inevitavelmente perderam sua fatia dominante no mercado transatlântico. Hoje 9000 metros quadrados do hall original estão preservados. Em 1996 um terminal de navios de cruzeiro foi inaugurado no local, retomando, ainda que parcialmente, a finalidade original da construção.
 
mdlmeer_026
mdlmeer_026mdlmeer_026
mdlmeer_027
mdlmeer_027mdlmeer_027
mdlmeer_028
mdlmeer_028mdlmeer_028
mdlmeer_029
mdlmeer_029mdlmeer_029
mdlmeer_030
mdlmeer_030mdlmeer_030
  

O Museu do Mar

O museu foi inaugurado em 2002 e é composto pelo submarino Le Trionphant e de dois prédios, um edifício novo, na ponta norte do píer e de aquilo que restou da Gare Maritime. 

Hoje, o prédio antigo abriga o Hall Principal de entrada do Museu com uma exposição permanente de submarinos de pesquisa para mergulho profundo, um simulador de imersão completa e um restaurante com cozinha típica da Normandia.

 

mdlmeer_031
mdlmeer_031mdlmeer_031
mdlmeer_032
mdlmeer_032mdlmeer_032
mdlmeer_033
mdlmeer_033mdlmeer_033
mdlmeer_034
mdlmeer_034mdlmeer_034
mdlmeer_035
mdlmeer_035mdlmeer_035
 

A fascinação do homem pelo mar é proporcional ao seu temor por ele. Na antiguidade estes temores eram representados por sereias, serpentes marinhas e outros “monstros”. Na medida que a evolução tecnológica permitiu ao homem conhecer melhor o mar, estes temores naturalmente desapareceram. Esta evolução é mostrada num corredor circular, desde Alexandre Magno, que teria mergulhado num sino, seguindo até a indústria de petróleo offshore de hoje. O edifício novo contém 17 aquários diversos com um variado leque de criaturas da vida marinha, além de um “aquário abissal” com quase 11 metros de profundidade, o mais profundo da Europa. Aqui também ficam dois salões que demonstram de forma muito interativa as tecnologias que permitem que um submarino navegue com segurança sob as águas.

 

mdlmeer_036
mdlmeer_036mdlmeer_036
mdlmeer_037
mdlmeer_037mdlmeer_037
mdlmeer_038
mdlmeer_038mdlmeer_038
mdlmeer_039
mdlmeer_039mdlmeer_039
mdlmeer_040
mdlmeer_040mdlmeer_040
 

Muitos trajes de mergulho e veículos de exploração científica usados até hoje se encontram pendurados do teto neste museu, verdadeiros monumentais crustáceos de aço e fibra de vidro. 

Uma destas atrações é o Barril de Lethbridges. No começo do século XVIII, um certo John Lethbridges, criou uma embarcação em formato cilíndrico que permitia ao seu “piloto” mergulhos de até 20 minutos sob o mar. Não parece muito, mas naquela época isso foi o suficiente para fazer de Lethbridges um homem rico, já que a Companhia das Índias Ocidentais o contratou para recuperar tesouros de galeões afundados no fundo do mar.

 

mdlmeer_041
mdlmeer_041mdlmeer_041
mdlmeer_042
mdlmeer_042mdlmeer_042
mdlmeer_043
mdlmeer_043mdlmeer_043
mdlmeer_044
mdlmeer_044mdlmeer_044
mdlmeer_045
mdlmeer_045mdlmeer_045
 

Seguindo adiante encontramos a ala dedicada às grandes expedições oceanográficas e às profundezas do fundo do mar. 

Posteriormente, existe uma sala que mostra as descobertas arqueológicas submarinas feitas ao longo da História e a incrível evolução da tecnologia de arqueologia submarina.  

Entre os importantes achados arqueológicos exibidos aqui encontram-se vários objetos retirados dos destroços do CSS Alabama, um navio de guerra confederado que cruzou meio mundo afundando navios comerciais americanos e que foi afundado logo após deixar o porto de Cherbourg. O algoz do Alabama foi o USS Kearsage. Os restos do navio foram localizado em 1985 a uns 60 metros abaixo do nível do mar. 

 

mdlmeer_046
mdlmeer_046mdlmeer_046
mdlmeer_047
mdlmeer_047mdlmeer_047
mdlmeer_048
mdlmeer_048mdlmeer_048
mdlmeer_049
mdlmeer_049mdlmeer_049
mdlmeer_050
mdlmeer_050mdlmeer_050

Outra das atrações é o batiscafo Archimède. O batiscafo é um submarino desenhado para mergulhar a enormes profundidades. Ele começou a ser construído em 1955 e lançado ao mar construído em 1961, sob orientação de seu inventor Auguste Piccard. 

 

mdlmeer_051
mdlmeer_051mdlmeer_051
mdlmeer_052
mdlmeer_052mdlmeer_052
mdlmeer_053
mdlmeer_053mdlmeer_053
mdlmeer_054
mdlmeer_054mdlmeer_054
mdlmeer_055
mdlmeer_055mdlmeer_055

Em 25 de julho de 1962 na Fossa do Japão, eles atingiram a profundidade de 9.545 m, aquém dos 10.916 da Fossa das Marianas. Mas o legado do Archimède foi maior. Antes de sua carreira encerrar em 1974 ele percorreu 34 km no leito do Oceano Atlântico trazendo mais de 9000 fotografias e 810 kg de rochas. 

O Le Redoutable

O Le Redoutable é o primeiro de uma série de 6 submarinos nucleares lançadores de mísseis balisticos franceses. Lançado ao mar em 1967, operou até 1991 quando foi descomissionado após um total de 51 patrulhas. Após sua retirada de serviço, ele foi docado e seu reator nuclear removido. Hoje ele é o maior submarino do mundo em exposição pública, embora o estreito local onde se encontra não permita uma visualização das melhores de seu exterior.

mdlmeer_056
mdlmeer_056mdlmeer_056
mdlmeer_057
mdlmeer_057mdlmeer_057
mdlmeer_058
mdlmeer_058mdlmeer_058
mdlmeer_059
mdlmeer_059mdlmeer_059
mdlmeer_060
mdlmeer_060mdlmeer_060
 

mdlmeer_061
mdlmeer_061mdlmeer_061
mdlmeer_062
mdlmeer_062mdlmeer_062
mdlmeer_063
mdlmeer_063mdlmeer_063
mdlmeer_064
mdlmeer_064mdlmeer_064
mdlmeer_065
mdlmeer_065mdlmeer_065
 

O submarino se encontra num dique seco, logo ao lado do edifício novo do Museu. Para facilitar a visita foi criado um “caminho” interno que começa numa “porta” de visitantes cortada a re do casco de pressão e que termina em outra “porta” posicionada bem a vante do casco. O roteiro da visita cruza as principais áreas do navio e um aparelho sonoro portátil vai explicando ao visitante, ponto a ponto, as principais características e funções dos diversos pontos de interesse dentro do submarino. 

mdlmeer_066
mdlmeer_066mdlmeer_066
mdlmeer_067
mdlmeer_067mdlmeer_067
mdlmeer_068
mdlmeer_068mdlmeer_068
mdlmeer_069
mdlmeer_069mdlmeer_069
mdlmeer_070
mdlmeer_070mdlmeer_070

mdlmeer_071
mdlmeer_071mdlmeer_071
mdlmeer_072
mdlmeer_072mdlmeer_072
mdlmeer_073
mdlmeer_073mdlmeer_073
mdlmeer_074
mdlmeer_074mdlmeer_074
mdlmeer_075
mdlmeer_075mdlmeer_075
 

A visita começa pelo eixo da propulsão e pelo motor elétrico. Segue para a proa, pelo coredor de boreste, passando pela casa de máquinas e pelos sistemas de geração e de controle da eletricidade. A seguir, passa-se pela área (vazia) onde ficava o reator nuclear. Em seguida vem os dezesseis tubos verticais de lançamento dos mísseis balísticos M2/M4. Cada tubo tem, seu próprio painel de controle e de acionamento, e também tem a “corneta” em bronze, parte de seu próprio sistema de comunicação via tubos de ar. Seguimos pelo compartimento de controle e comando, devidamente iluminado por uma forte luz vermelha. A seguir o passeio nos leva à cabine do comandante, aos camarotes dos oficiais, praça d’armas e refeitórios dos praças. 

mdlmeer_076
mdlmeer_076mdlmeer_076
mdlmeer_077
mdlmeer_077mdlmeer_077
mdlmeer_078
mdlmeer_078mdlmeer_078
mdlmeer_079
mdlmeer_079mdlmeer_079
mdlmeer_080
mdlmeer_080mdlmeer_080

mdlmeer_081
mdlmeer_081mdlmeer_081
mdlmeer_082
mdlmeer_082mdlmeer_082
mdlmeer_083
mdlmeer_083mdlmeer_083
mdlmeer_084
mdlmeer_084mdlmeer_084
mdlmeer_085
mdlmeer_085mdlmeer_085
  

No final, logo antes de se sair do submarino, visita-se o compartimento de torpedos localizado na proa. Este submarino foi capaz de disparar operacionalmente os torpedos franceses dos modelos ECAN (Etablissement de Constructions et Armes Navales) F17 e ECAN L5.

mdlmeer_086
mdlmeer_086mdlmeer_086
mdlmeer_087
mdlmeer_087mdlmeer_087
mdlmeer_088
mdlmeer_088mdlmeer_088
mdlmeer_089
mdlmeer_089mdlmeer_089
mdlmeer_090
mdlmeer_090mdlmeer_090

mdlmeer_091
mdlmeer_091mdlmeer_091
mdlmeer_092
mdlmeer_092mdlmeer_092
mdlmeer_093
mdlmeer_093mdlmeer_093
mdlmeer_094
mdlmeer_094mdlmeer_094
mdlmeer_095
mdlmeer_095mdlmeer_095
 

O Le Redoutable foi um projeto muito importante, pois indicou  a seriedade com que o Governo Francês encarava a sua dissuasão nuclear na década de sessenta. Os americanos e russos optaram por iniciar sua indústria naval nuclear nacional com submarinos nucleares de menor porte, verdadeiros protótipos, provas de conceito, e só então fazer projetos mais arriscados e complexos. Os franceses ao contrário, partindo atrasados, pularam todas as etapas e desenvolveram de uma só vez a propulsão naval nuclear, seu emprego em submarinos, cascos de pressão de grande porte, mísseis balísticos nucleares lançáveis sob o mar e o próprio submarino lançador de mísseis balísticos. Surpreendente, a ousadia tecnológica francesa deu certo e ao fim do último submarino desta classe, a França pode então produzir os demais produtos, mais simples e necessários para completar a frota: os submarinos SNA da classe Rubis. 

 

mdlmeer_096
mdlmeer_096mdlmeer_096
mdlmeer_097
mdlmeer_097mdlmeer_097
mdlmeer_098
mdlmeer_098mdlmeer_098
mdlmeer_099
mdlmeer_099mdlmeer_099
mdlmeer_100
mdlmeer_100mdlmeer_100

mdlmeer_101
mdlmeer_101mdlmeer_101
mdlmeer_102
mdlmeer_102mdlmeer_102
mdlmeer_103
mdlmeer_103mdlmeer_103
mdlmeer_104
mdlmeer_104mdlmeer_104
mdlmeer_105
mdlmeer_105mdlmeer_105
  

Ao longo de suas carreiras operacionais os navios desta classe sofreram profundas modificações que os permitiram lançar os mísseis M1, M2 e, posteriormente, o míssil, maior e mais pesado, M4 MSBS (Mer Sol Balistique Stratégique, em francês).  Por ter sido o primeiro de sua classe, o Le Redoutable acabou não sendo modernizado. 

Neste momento o último dos Le Redoutable se encontra prestes de ser substituído pelo último dos novos submarinos lançadores de mísseis balísticos da classe Le Triomphant. 

A Classe Le Redoutable

Le Redoutable (1971-1991)

Le Terrible (1973-1996)

Le Foudroyant (1974-1998)

Le Indomptable (1976-2003)

Le Tonnant (1980-1999, primeiro submarino capaz de lançar o míssil M2)

Le Inflexible (1985-2008, primeiro submarino capaz de lançar o míssil M4) 

Os Mísseis  Balisticos franceses

O programa de mísseis nucleares da França se iniciou em 1959 pelas mãos da empresa SEREB - France (Empresa de Estudos e Fabricação de Mísseis Balísticos). Em 1970 esta empresa foi colocada sob o guarda chuva da holding estatal francesa Aérospatiale, que em 2000 foi fundida com as empresas  DaimlerChrysler Aeroespace, alemã e a CASA, espanhola, para criar a mega-holding européia EADS. 

 

mdlmeer_106
mdlmeer_106mdlmeer_106
mdlmeer_107
mdlmeer_107mdlmeer_107
mdlmeer_108
mdlmeer_108mdlmeer_108
mdlmeer_109
mdlmeer_109mdlmeer_109
mdlmeer_110
mdlmeer_110mdlmeer_110
   

Depois de uma sequencia de protótipos e modelos de teste, em 1971 entrou em operação o modelo M1 com uma cabeça de combate nuclear, dois estágios e 3008km de alcance. Meros dois anos depois, surgiu o modelo M2 e seu derivado M20. O M20 tinha performance semelhante ao M1 tendo sido usado entre 1974 e 1980.

 

mdlmeer_111
mdlmeer_111mdlmeer_111
mdlmeer_112
mdlmeer_112mdlmeer_112
mdlmeer_113
mdlmeer_113mdlmeer_113
mdlmeer_114
mdlmeer_114mdlmeer_114
mdlmeer_115
mdlmeer_115mdlmeer_115
  

O modelo seguinte, o M4, um míssil bem maior e com três estágios, seria radicalmente diferente dos anteriores. Nele a ogiva única usada anteriormente seria substituída por seis MIRVs (Ogivas múltiplas independentemente controladas) tecnologia que dificulta sobremaneira qualquer tentativa pelo inimigo de interceptação durante a fase terminal do ataque. A versão final foi a M45, um M4 melhorado e atualizado, com 3.900 Km de alcance,  modelo que ainda está em operação nos submarinos da Marinha da França. 

mdlmeer_116
mdlmeer_116mdlmeer_116
mdlmeer_117
mdlmeer_117mdlmeer_117
mdlmeer_118
mdlmeer_118mdlmeer_118
mdlmeer_119
mdlmeer_119mdlmeer_119
mdlmeer_120
mdlmeer_120mdlmeer_120

mdlmeer_121
mdlmeer_121mdlmeer_121
mdlmeer_122
mdlmeer_122mdlmeer_122
mdlmeer_123
mdlmeer_123mdlmeer_123
mdlmeer_124
mdlmeer_124mdlmeer_124
mdlmeer_125
mdlmeer_125mdlmeer_125
  

Finalmente, em 9 de novembro de 2006, foi disparado o primeiro míssil balístico da mais nova geração, o M51. O M51, com alcance de cerca de 11.000 Km é o primeiro míssil verdadeiramente intercontinental projetado na França. 

Para ter uma visão mais detalhada sobre este ambicioso programa, não deixe de visitar a página http://www.astronautix.com/lvs/msbs.htm 
mdlmeer_126
mdlmeer_126mdlmeer_126
mdlmeer_127
mdlmeer_127mdlmeer_127
mdlmeer_128
mdlmeer_128mdlmeer_128
mdlmeer_129
mdlmeer_129mdlmeer_129
mdlmeer_130
mdlmeer_130mdlmeer_130
mdlmeer_131
mdlmeer_131mdlmeer_131
mdlmeer_132
mdlmeer_132mdlmeer_132
mdlmeer_133
mdlmeer_133mdlmeer_133
mdlmeer_134
mdlmeer_134mdlmeer_134
mdlmeer_135
mdlmeer_135mdlmeer_135
  
Para chegar lá:
Cherbourg não é uma cidade fácil de se chegar de avião. De Paris até lá as melhores opções são inegavelmente o trem ou carro. De trem, Cherbourg fica a cercaa de 3h30 da capital francesa. Se sua viagem incluir também uma passada pela Inglaterra, os ferryboats podem ser uma boa opção pois ligam esta cidade francesa aos portos de Poole, Portsmouth, às ilhas britânicas de Jersey e Guernsey, além de Rosslare Harbour, na Irlanda. 
mdlmeer_136
mdlmeer_136mdlmeer_136
mdlmeer_137
mdlmeer_137mdlmeer_137
mdlmeer_138
mdlmeer_138mdlmeer_138
mdlmeer_139
mdlmeer_139mdlmeer_139
mdlmeer_140
mdlmeer_140mdlmeer_140
mdlmeer_141
mdlmeer_141mdlmeer_141
mdlmeer_142
mdlmeer_142mdlmeer_142
mdlmeer_143
mdlmeer_143mdlmeer_143
mdlmeer_144
mdlmeer_144mdlmeer_144
mdlmeer_145
mdlmeer_145mdlmeer_145
  
Muita atenção, pois a frequencia das partidas dos ferries é muito maior no verão do que no resto do ano.
A área urbana da cidade de Cherbourg é bem pequena e compacta ao redor do porto. A distância entre a entrada do Cité de la Mer ao centro da cidade é de pouco mais de um quilômetro, nada muito desafiadoe em termos de caminhada, mas se preferir chame um taxi.
mdlmeer_146
mdlmeer_146mdlmeer_146
mdlmeer_147
mdlmeer_147mdlmeer_147
mdlmeer_148
mdlmeer_148mdlmeer_148
 
A entrada do museu custa 18 euros na alta estação e 16 na baixa, crianças entre 5 e 17 pagam respectivamente 13 e 11 euros. Mas convém sempre verificar antes de viajar no site oficial( www.citedelamer.com ) os horários de abertura, já que elas variam bastante ao longo do ano.  Boa viagem! 
ALIDE viajou pela França a convite da DCNS
Last Updated on Monday, 29 June 2009 23:28
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2018 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.