Construindo e mantendo SNAs na França PDF Print E-mail
Written by Felipe Salles   
Sunday, 27 September 2009 04:22

 

 

Ok, sua marinha comprou um submarino nuclear: E agora?

Para responder a esta pergunta, que deve estar ocupando as mentes dos oficiais submarinistas da MB, Alide foi à França para conhecer o que é necessário para se poder construir e manter em operação submarinos tão diferentes e complexos como os modernos submarinos nucleares de ataque (SNA).

Introdução 

Há mais de vinte anos, a Marinha do Brasil vem acalentando o sonho de ter uma frota de submarinos de ataque de propulsão nuclear. Desde aquela época, o impacto da chegada desta revolucionária tecnologia no nosso Teatro de Operações, durante a Guerra das Malvinas, evidenciou incontestavelmente a limitação das defesas anti-submarinas mais simples para contrapor-se à ameaça representada pelos novos submarinos britânicos.

dcns_001
dcns_001dcns_001
dcns_002
dcns_002dcns_002
dcns_003
dcns_003dcns_003
dcns_004
dcns_004dcns_004
dcns_005
dcns_005dcns_005
 

O programa do submarino nuclear da Marinha do Brasil desenvolveu-se através de uma parceria com a USP no estado de São Paulo, e através das conquistas alcançadas no Centro Experimental Aramar de MB, na cidade de Iperó, conseguimos dominar todo o ciclo do combustível nuclear, desde o minério de urânio até o combustível enriquecido.

dcns_006
dcns_006dcns_006
dcns_007
dcns_007dcns_007
dcns_008
dcns_008dcns_008
dcns_009
dcns_009dcns_009
dcns_010
dcns_010dcns_010
 

Um submarino de ataque de propulsão nuclear (SSNs) deslocando entre 4000 e 6000 toneladas é um navio muito maior e, em termos de engenharia, muito diferente dos tradicionais submarinos movidos à propulsão diesel-elétrica de meras 2000 toneladas. Uma vez que o SNA brasileiro estiver operacional, uma grande variedade de novos procedimentos operacionais de apoio e manutenção, terão que ser internalizados pela Força de Submarinos, e é por isso que a nova base de submarinos/estaleiro está sendo construída fora da Baía da Guanabara. O Ministério da Defesa e a Marinha, reiteradamente, declararam que uma das principais razões pela escolha a DCNS como parceiro estratégico, para esta empreitada ,residia justamente na ampla experiência, desta empresa ,neste segmento. Tanto nas fases de construção, quanto na dos serviços de suporte em terra para submarinos desta classe.

dcns_011
dcns_011dcns_011
dcns_012
dcns_012dcns_012
dcns_013
dcns_013dcns_013
dcns_014
dcns_014dcns_014
dcns_015
dcns_015dcns_015
 

O ciclo de vida dos SNAs 

Numa visão simplória, os submarinos a diesel tem que ser recarregados de combustível toda vez que seus tanques se esvaziam. Dependendo de variáveis como a velocidade e das distâncias necessárias ao cumprimento da sua missão, isso provavelmente ocorrerá a cada 30 dias. Num submarino nuclear, uma única “carga de combustível”   pode durar entre 5 e 25 anos, dependendo dos projeto e da idade do reator nuclear embarcado. Ao ser construído, o submarino recebe um reator nuclear frio, ainda sem combustível. O “combustível” dos submarinos nucleares é manuseado sob a forma de barras sólidas. Com o combustível instalado no seu interior o reator entra em estado “crítico” e começa a gerar calor que será usado para produzir vapor que eventualmente moverá uma turbina, que moverá um dínamo produzindo eletricidade. Esta é a energia que será usada para mover os motores elétricos do submarino, o permitindo navegar pelo mar.

dcns_016
dcns_016dcns_016
dcns_017
dcns_017dcns_017
dcns_018
dcns_018dcns_018
dcns_019
dcns_019dcns_019
dcns_020
dcns_020dcns_020
 

Ao alcançar o fim da vida útil da carga inicial de combustível nuclear, é necessário parar o navio e proceder à remoção e substituição da carga usada. Muito diferente do caso do submarino convencional onde basta abrir o tanque e despejar combustível novo, num SNA, no momento da troca, as barras de combustível usadas se encontram num estado extremamente radioativo. Esta operação exige uma imensa preocupação dos operadores e dos seus técnicos. A Marinha e os órgãos de defesa ambiental trabalharão juntos para que não se produza o risco de um acidente de contaminação radioativa de escala e potencial de dano imprevisível.

dcns_021
dcns_021dcns_021
dcns_022
dcns_022dcns_022
dcns_023
dcns_023dcns_023
dcns_024
dcns_024dcns_024
dcns_025
dcns_025dcns_025
 

Dos Rubis/Amethyste ao novo Suffren: a mudança de um paradigma 

A Marinha da França foi um dos primeiros e grandes entusiastas do emprego da arma submarina. No início da Segunda Guerra Mundial a marinha francesa já operava nada menos que 77 submarinos diesel, além de ter outros 24 em diversos estágios de construção nos seus arsenais. No entanto, ironicamente, coube à França o azar de se ver transformada na maior base de submarinos alemães após ser invadida pelos nazistas. O Almirante Dönitz, preocupado com a vulnerabilidade de suas bases na Alemanha, operou um grande programa para construção, ampliação e modernização das bases de submarinos francesas em Lorient, Brest, Saint Nazaire, La Rochelle e Bordeaux. A Base alemã de submarinos em Toulon, no Mediterrâneo, no entanto, só foi estabelecida em 1943. Com a derrota final dos alemães em 1945, a recém reconstituída marinha francesa acabou herdando um bom numero destes submarinos alemães sobreviventes.

dcns_026
dcns_026dcns_026
dcns_027
dcns_027dcns_027
dcns_028
dcns_028dcns_028
dcns_029
dcns_029dcns_029
dcns_030
dcns_030dcns_030
 

Inusitadamente a França deu seu primeiro passo no mundo dos submarinos nucleares através, justamente, do modelo mais complexo, o SSBN, ou submarino nuclear lançador de mísseis balísticos, lançado no ano de 1967. Somente após resolver esta questão da dissuasão nuclear é que o país se lançou na direção de construir seus Submarinos Nucleares de Ataque (SNA).

dcns_031
dcns_031dcns_031
dcns_032
dcns_032dcns_032
dcns_033
dcns_033dcns_033
dcns_034
dcns_034dcns_034
dcns_035
dcns_035dcns_035
 

A França decidiu construir um submarino de ataque que fosse “compacto”, e desta idéia surgiu o Programa Rubis. O primeiro destes submarinos teve sua quilha batida em 11 de dezembro de 1976, foi lançado em     7 de julho de 1979 e comissionado em 23 de fevereiro de 1983.

dcns_036
dcns_036dcns_036
dcns_037
dcns_037dcns_037
dcns_038
dcns_038dcns_038
dcns_039
dcns_039dcns_039
dcns_040
dcns_040dcns_040
 

Toda esta classe (com a exceção do S603 Casabianca) recebeu nomes de pedras preciosas/jóias: “Rubi”, “Safira”, “Esmeralda”, “Ametista” e “Pérola”. O “Turquesa” e o “Diamante”, as duas unidades finais desta classe, foram canceladas antes mesmo de se iniciar sua construção. A tecnologia dos Rubis iniciais era do mesmo patamar daquela empregada nos SSBN da classe Le Redoutable, fabricada anteriormente, porém na hora de fabricarem o quarto SNA, o S605 Amethyste, foi tomada a decisão de equipá-lo com um pacote de sistemas muito superior, o chamado “AMÉlioration Tactique HYdrodynamique Silence Transmission Ecoute” (em português: Melhoramento tático, hidrodinâmico, silêncio, transmissão e escuta). O S606 Perle recebeu estas melhorias no estaleiro durante sua construção e os outros três anteriores passaram por um período de manutenção pesado onde estas melhorias foram aplicadas em cada um deles.

dcns_041
dcns_041dcns_041
dcns_042
dcns_042dcns_042
dcns_043
dcns_043dcns_043
dcns_044
dcns_044dcns_044
dcns_045
dcns_045dcns_045
 

A flexibilidade destes submarinos foi comprovada durante as buscas pela caixa preta do Airbus da Air France que caiu em 1° de junho de 2009 a Marinha Francesa mandou o S604 Émeraude para apoiar as buscas. Já no plano geopolítico internacional, o S602 Sapfir veio até a Bahia da Guanabara, realizando a primeira visita de cortesia de um SNA francês ao Brasil. Isso se deu no exato momento em que o presidente francês assinava, em Brasília, o contrato para a construção dos Scorpène e do casco do nosso primeiro submarino de propulsão nuclear no Brasil.

dcns_046
dcns_046dcns_046
dcns_047
dcns_047dcns_047
dcns_048
dcns_048dcns_048
dcns_049
dcns_049dcns_049
dcns_050
dcns_050dcns_050
 

Atualmente, todos os seis submarinos de ataque franceses ficam baseados em Toulon, enquanto os submarinos lançadores de mísseis balísticos ficam em Île Longue, próximo a Brest, na costa noroeste da França. 

Em nossa visita a Cherbourg, a capital dos submarinos na França, toda a atenção está focada no início da construção do novo SNA da Classe Barracuda, agora já conhecido pelo seu nome de batismo, o Suffren. Este modelo joga para o alto o conceito do submarino de ataque movido a energia nuclear de tamanho compacto, como eram os Rubis/Amethyste. O Suffren é muito maior que seus antecessores, deslocando 4.700 toneladas na superfície, contra as cerca de 2.400 toneladas da classe anterior. A mensagem que isso traz, é que, em missões efetuadas no oceano aberto, para além da segurança do Mediterrâneo e das regiões costeiras,  o modelo “compacto”simplesmente não era suficientemente grande.

dcns_051
dcns_051dcns_051
dcns_052
dcns_052dcns_052
dcns_053
dcns_053dcns_053
dcns_054
dcns_054dcns_054
dcns_055
dcns_055dcns_055
 

Como os franceses realizam a função de apoio aos seus SSNs? 

A manutenção e os cuidados com a propulsão nuclear dos submarinos franceses em Toulon é realizada por uma organização especializada chamada de “Instalations Nucleaires a Terre”. Segundo a lei francesa, este local é uma das “installations nucléaires de base secretes” (INBS) sendo instalações nucleares não-móveis, por isso estas atividades exigem uma caracterização particular, sob o guarda chuva da defesa nacional. Elas estão submetidas a um regime de autorização e de controle específico. Esta classe de instalação é classificada como “secreta” por decisão do Primeiro Ministro por recomendação do Ministro da Defesa e do ministro encarregado da indústria, cada um para suas respectivas instalações.

dcns_056
dcns_056dcns_056
dcns_057
dcns_057dcns_057
dcns_058
dcns_058dcns_058
dcns_059
dcns_059dcns_059
dcns_060
dcns_060dcns_060
 

Durante nossa visita ao Arsenal de Toulon, em maio de 2009, o submarino Perle (S606) se encontrava no meio de seu processo de recarrega de combustível e de manutenção profunda. Curiosamente, os edifícios das modernas Instalations Nucleaires a Terre foram construídos ao longo dos cais “Missiessy” e “Malbousquet”, bem ao lado de um conjunto de três diques secos escavados originalmente no século XIX. No interior destes edifícios, só é possível a entrada de pessoas devidamente autorizadas com roupas protetoras brancas, com toucas, luvas, e protetores para sola de sapatos. Cada pessoa recebe um crachá com um sensor que muda imediatamente de cor, caso a pessoa seja submetida a uma dose maior de radiação. Na saída, é necessário passar por uma porta de vidro dupla, similar a que existe na entrada de algumas agências de banco, para que um sistema automatizado avalie o nível de irradiação de cada visitante.

dcns_061
dcns_061dcns_061
dcns_062
dcns_062dcns_062
dcns_063
dcns_063dcns_063
dcns_064
dcns_064dcns_064
dcns_065
dcns_065dcns_065
 

Em anexo a este edifício, fica localizada a oficina móvel, um compartimento medindo 32 por 8 metros. Este verdadeiro “edifício móvel” se desliza setenta metros sobre rodas, transversalmente, da lateral dos edifícios até posicionar- se completamente por sobre o submarino colocado dentro do dique seco. Quando a oficina está sobre submarino, o acesso a pé dela até os demais prédios é feita através de um corredor subterrâneo. Os técnicos que estão envolvidos no desmonte do reator e na retirada do combustível radioativo permanecem o tempo todo dentro da oficina móvel, abrigados do vento, sol e chuva. Isso evita que qualquer minúscula poeira radioativa possa vir a ser levada para o ambiente externo. Todos os componentes removidos do submarino e as barras de combustível esgotado, são transportados, também no interior da oficina móvel, para armazenamento temporário no fundo de uma grande piscina coberta existente dentro do prédio principal. Neste caso, a água é usada como um isolante, limitando a perda de radiação destes elementos esgotados. Num outro edifício, também com portas estanques e filtros atmosféricos, é realizada a revisão do gerador de vapor do submarino. Qualquer rachadura, ou perfuração, minúscula que seja nesta peça pode causar uma vazamento radioativo para dentro do submarino o que colocaria em risco a vida dos tripulantes.  

dcns_066
dcns_066dcns_066
dcns_067
dcns_067dcns_067
dcns_068
dcns_068dcns_068
dcns_069
dcns_069dcns_069
dcns_070
dcns_070dcns_070
 

Naturalmente, o estaleiro que será construído pela DCNS e Odebrecht na costa do Rio de Janeiro deve incluir instalações especializadas como estas. Apenas uma marinha que efetivamente opera submarinos nucleares tem condição a oferecer todo este knowhow de suporte em terra sob a forma de transferência de tecnologia.

dcns_071
dcns_071dcns_071
dcns_072
dcns_072dcns_072
dcns_073
dcns_073dcns_073
dcns_074
dcns_074dcns_074
dcns_075
dcns_075dcns_075

DCNS em Toulon: Terceirização da manutenção de componentes 

A DCNS atual é fruto da fusão da antiga estatal DCN (sigla de Diretoria de Construção Naval) com a gigante industrial francesa Thales. A DCN era a dona e operava as unidade operativas técnicas de todos os vários arsenais estatais franceses. Agora, privatizada, a DCNS tem o contrato de operação das diversas oficinas de manutenção especializadas localizadas nas grandes bases da Marine Nationale francesa: Toulon e Brest. As diversas oficinas, motores, eletricidade, sonares, casco, etc, se empenham cooperativamente quando um navio, como o submarino Perle, entra em Período de Manutenção Profunda.

dcns_076
dcns_076dcns_076
dcns_077
dcns_077dcns_077
dcns_078
dcns_078dcns_078
dcns_079
dcns_079dcns_079
dcns_080
dcns_080dcns_080
 

A Nova Base de Submarinos e o Estaleiro DCNS/Odebrecht em Sepetiba 

Os submarinos da Marinha do Brasil, desde 1914, sempre estiveram ligados à ilha de Mocanguê Grande, na costa niteroiense da Baía da Guanabara. Em 1943, após um período operando desde o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na Ilha das Cobras, finalmente, foram iniciadas na Ilha de Mocanguê as obras da base definitiva para atender às necessidades da Flotilha de Submarinos. Em 1946 esta base foi inaugurada recebendo seu nome definitivo: Base Almirante Castro e Silva (BACS), crescendo e agregando mais funções ao longo dos anos. No entanto, na virada do século XXI já estava claro que ela não comportaria mais do que os atuais cinco submarinos da classe Tupi/Tikuna e, que, de forma alguma, teria como acomodar nem mesmo um único submarino nuclear com suas mais de 4000 toneladas. Para dar este grande passo a Marinha do Brasil precisaria certamente de uma nova e maior base de submarinos, com facilidades industriais muito superiores às disponíveis no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. Muitos analistas ficaram surpresos com o anúncio de que, junto com os quatro primeiros submarinos Scorpène ,a Marinha contrataria à DCNS e a sua parceira brasileira, a construtora Odebrecht a construção da nova base/estaleiro. Para a Marinha, antes de qualquer coisa esta decisão garantiria a manutenção de um um ritmo acelerado de obras, garantiria o financiamento externo e protegeria em boa parte o programa industrial contra oscilações no fluxo de verba necessário para a execução do programa. Para DCNS seria mais uma garantia de continuidade no contrato. Para a Odebrecht isto se configuraria como a abertura de um novo e importante segmento de mercado. Recentemente este fenômeno se deu também na área da construção naval civil, uma vez que cada um das grandes construtoras nacionais acabou se associando a um “parceiro de tecnologia” estrangeiro na criação dos novos estaleiros criados para a construção de petroleiros e de plataformas de petróleo voltadas para atender à imensa demanda anunciada pela Petrobras/Transpetro.

dcns_081
dcns_081dcns_081
dcns_082
dcns_082dcns_082
dcns_083
dcns_083dcns_083
dcns_084
dcns_084dcns_084
dcns_085
dcns_085dcns_085
 

DCNS: Cherbourg: Como os franceses constroem um submarino 

Infelizmente não pudemos, por questões de segurança, tirar nossas próprias fotos dentro do ambiente de produção, mas a DCNS nos supriu de imagens que exemplificam os diversos passos necessários para a construção de um submarino moderno. O Suffren tem casco duplo separados por anéis estruturais. A construção do casco agora se faz na vertical, sendo inclinado em grandes módulos perto do momento de se fechar o casco. O primeiro passo é criar os anéis estruturais que são montados sobre uma estrutura temporária chamada de gabarito. Essa estrutura pintada de amarelo gritante mantem estes anéis perfeitamente alinhados um sobre o outro. Em seguida, as chapas previamente curvadas nas calandras (máquinas de dobrar chapas de aço) das oficinas da própria DCNS são colocadas no gabarito ao redor e por dentro dos anéis estruturais. A solda hoje em dia é feita por máquinas automáticas que fazem com que o bico da solda desça numa velocidade constante ao longo das frestas entre bordas das chapas. Isso produz um acabamento e uma qualidade final muito superior ao do trabalho manual tradicional. Adicionalmente o processo é muito mais rápido e por isso muito mais barato. A maior qualidade do trabalho faz com que o casco seja qualificado para suportar a maiores pressões (maiores profundidades) melhorando, assim, as capacidades operacionais do produto.

dcns_086
dcns_086dcns_086
dcns_087
dcns_087dcns_087
dcns_088
dcns_088dcns_088
dcns_089
dcns_089dcns_089
dcns_090
dcns_090dcns_090
 

Os módulos do casco, que neste ponto parecem gigantescas manilhas feitas de aço, são empilhadas um sobre o outro na fase seguinte. O processo de soldagem automática vai se repetindo, mas agora na outra direção. Somente quando os módulos já são cilindros, da altura de um pequeno edifício, é que eles são levantados pelos guindastes e pontes móveis, do hall de montagem e, finalmente, colocados na posição “normal” para o fechamento final do casco. Para sair do ambiente de produção o submarino completo é movido sobre um caminhão de chassi longo e muitos eixos, semelhante aos usado no processo de “load-in/load-out” do submarino Timbira, no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

dcns_091
dcns_091dcns_091
dcns_092
dcns_092dcns_092
dcns_093
dcns_093dcns_093
 

O futuro além dos quatro Scorpènes e do primeiro SSN 

Desde seus primeiros esboços, a nova Estratégia Nacional de Defesa (END) já reconhecia a nossa frota de Submarinos como sendo a ponta de lança da estratégia de dissuasão naval do Brasil. O Ministro e os técnicos do Ministério da Defesa imediatamente reconheceram que boa parte do investimento a ser realizado na recomposição das forças armadas brasileiras teria que ir para os submarinos, não apenas os tradicionais diesel-elétricos, como para os novos SNAs também. Embora o contrato assinado com a DCNS seja para apenas quatro submarinos diesel-elétricos derivados da classe Scorpène, fontes de ALIDE insistem que o Plano de Equipamento da Marinha em estudo atualmente prevê a construção de nada menos que quinze submarinos convencionais e de seis submarinos de ataque movidos a energia nuclear. Se estes planos irão ou não acontecer depende de muitas variáveis, como, a visão sobre o reequipamento militar brasileiro dos próximos governos, e principalmente da confirmação dos prognósticos positivos para a economia do Brasil e especialmente da viabilidade econômica das jazidas do pré-sal petrolífero. 

 

 

Last Updated on Friday, 09 October 2009 15:07
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2018 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.