Grandes Veleiros passam pelo Rio PDF Print E-mail
Written by Felipe Salles   
Monday, 03 May 2010 00:00

 

Regata Velas Sudamerica

Considerando a importância dos oceanos para a formação e o desenvolvimento das nações do nosso continente, as Armadas do Chile e da Argentina concordaram em organizar conjuntamente o componente marítimo das celebrações do bicentenário dos eventos que culminaram com a independência dos paises latinoamericanos a partir de 1810. Estas celebrações estão ocorrendo também em paralelo na Colômbia, Venezuela e México. 

Na busca de dar a este evento um forte valor regional, elas convidaram Brasil, Uruguai, Peru, Equador, Colômbia, República Dominicana, Venezuela e México, a aderirem a este projeto.

Velas Sudamericas 2010 estabeleceu sua data de início o dia 31 de janeiro de 2010 na cidade do Rio de Janeiro.  O encerramento se dará em Veracruz, no México  dia 28 de junho de 2010. Até a data da publicação desta matéria o evento se encontra no porto de Valparaiso, no Chile, nos dia 13-a 18 de abril. Anteriormente, os navios já estiveram nos seguintes lugares: Rio de Janeiro (Brasil) 31 de janeiro-07 de fevereiro, Mar Del Plata (Argentina) 22-26 de fevereiro, Montevidéu (Uruguai) 28 fevereiro- 02 de março, Buenos Aires (Argentina) 04-09 de março, Ilha dos Estados (Argentina) 18 de março, Ushuaia (Argentina) 20-23 de março, Cabo Horn (Chile) 24 de março e Punta Arenas (Chile) 27-31 de março. Adiante restam ainda: Antofagasta (Chile) 21-23 de abril, Callao (Peru) 28 de abril 02 de maio, Guayaquil (Equador) 07-11 de maio, Cartagena de Indias (Colômbia) 19-23 de maio, La Guaira (Venezuela) 29 de maio -02 de junho, Santo Domingo ( República Dominicana) 06 -09 de junho e Veracruz ( México) 23-28 de junho.

A parte carioca do Evento

A cidade do Rio de Janeiro teve a oportunidade de abrir um dos maiores eventos de navios veleiros de grande porte do mundo, os chamados “Grandes Veleiros Rio 2010”. Este evento se deu no dia 31 de janeiro até o dia 07 de Fevereiro quando os navios deixaram a Baía de Guanabara. Realizado pela Marinha do Brasil, como apoio da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro e com o patrocínio da empresa de logística brasileira LLX. Inteiramente gratuito, a visitação foi realizado no novo espaço de eventos do Píer Mauá, no centro da cidade.

O encontro contou com os Grandes Veleiros dos Mares de todo o mundo. Vieram ao Rio vários navios veleiros, de distintos países da América e da Europa. Estes navios navegarão juntos durante cinco meses, em uma travessia que os levará pelos mares da América do Sul e do Caribe. Este é um desafio único que reuniu as marinhas em portos importantes da região passando por lugares emblemáticos para os navegantes de todos os tempos.

O Vice Almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld (Brasil), o Vice Almirante Julio Vara (Argentina) e o Contra Almirante  José Miguel Romero Aguirre (Chile),  foram os integrantes do comitê organizador do evento Regata Velas Sudamerica  2010. No dia 07 de Fevereiro houve um desfile dos veleiros de despedida pela orla carioca, a largada foi dada às 15h da regata internacional Velas Sudamerica  2010 .

Os Navios

O acontecimento contou com a participação de nove navios: Cisne Branco (Brasil), Libertad (Argentina), Esmeralda (Chile), Gloria (Colômbia), Guayas (Equador), Elcano (Espanha), Cuauhtemoc (México), Capitán Miranda (Uruguai) e Simon Bolívar (Venezuela). O navio que esta liderando este evento é o Capitán Miranda, e em último o Guayas até a data desta publicação.

O Cisne Branco
O Cisne BrancoO Cisne Branco
Companhia pequenina no mar
Companhia pequenina no marCompanhia pequenina no mar
Esquilo da MB filmando
Esquilo da MB filmandoEsquilo da MB filmando
Bell da MB fotografando
Bell da MB fotografandoBell da MB fotografando
Fotografando
FotografandoFotografando

Capitán Miranda

Foi construído em 1930 na Espanha, em Cádiz, para ser um navio hidrográfico. Durante mais de 40 anos serviu com esse propósito até que em 1977 foi transformado em navio-escola. Em 1996 passou por um processo de modernização que lhe permite cumprir melhor suas funções.

Comprimento

61m

Boca

8m

Calado

4,2m

Casco

de Aço

Deslocamento

780t

Área de Vela

850m²

Tripulação Total

92

Simón Bolivar da Venezuela
Simón Bolivar da VenezuelaSimón Bolivar da Venezuela
Parte do Gloria e o Cuauatemoc
Parte do Gloria e o Cuauatemoc Parte do Gloria e o Cuauatemoc
O Capitán Miranda do Uruguai
O Capitán Miranda do UruguaiO Capitán Miranda do Uruguai
Veleiros
VeleirosVeleiros
A popa do Cuauatemoc
A popa do CuauatemocA popa do Cuauatemoc
 

ARA La Libertad

Este veleiro foi construído na própria Argentina, em Rio Santiago. O ARA La Libertad tem duas estórias interessantes. Um delas ocorreu em 1966, quando o veleiro venceu o Boston Teapot Trophy. O prêmio deveria ter sido entregue pela rainha Elisabeth II, mas como o comandante do navio era “apenas” um capitão, ela recusou-se a fazê-lo. O prêmio acabou sendo entregue pelo seu marido, o príncipe Phillip.

Outro evento interessante, de cunho mais sério foi nas festividades do Bi-Centenário da independência americana. O público que assistia o desfile naval no rio Hudson, ao ver o navio argentino, virou-lhe as costas. A razão alegada para o gesto foi a de que o navio pertencia a um governo ditatorial. Que ironia.

Comprimento

103,7m

Boca

14m

Calado

6,7m

Casco

de Aço

Deslocamento

3.765t

Área de Vela

2.683m²

Tripulação Total

314

Veleiro
VeleiroVeleiro
Veleiros
VeleirosVeleiros
Esmeralda
EsmeraldaEsmeralda
Velas ao vento!
Velas ao vento!Velas ao vento!
O argentino La Libertad
O argentino La LibertadO argentino La Libertad

ARM Cuauhtémoc

Construído em 1981, em Bilbao, na Espanha, é um dos quatro construídos pelo estaleiro Celaya, para nações latinoamericanas.

Foi lançado ao mar em julho de 1981 e incorporado à armada mexicana em julho do ano seguinte.  Desde sua incorporação, já fez mais de quinze cruzeiros, sendo que três foram viagens de circunavegação.

Comprimento

90,5m

Boca

12m

Calado

5,4m

Casco

de Aço

Deslocamento

1.800t

Área de Vela

2.368m²

Tripulação Total

226

Parte da frota de veleiros no mar
Parte da frota de veleiros no marParte da frota de veleiros no mar
Brasão do Cisne Branco
Brasão do Cisne BrancoBrasão do Cisne Branco
O Cisne é imponente
O Cisne é imponenteO Cisne é imponente
Abrindo os panos do Cisne Branco
Abrindo os panos do Cisne BrancoAbrindo os panos do Cisne Branco
Os marinheiros do Cisne só sobem nos mastros com cintos de segurança e cabos de aço
Os marinheiros do Cisne só sobem nos mastros com cintos de segurança e cabos de açoOs marinheiros do Cisne só sobem nos mastros com cintos de segurança e cabos de aço

Esmeralda

Em 1946 a Armada Espanhola encomendou ao estaleiro Echavarrieta e Larrinaga a construção de um navio gêmeo do Juan Sebastian Elcano. Em 1947, ocorreu uma explosão numa base naval espanhola próxima ao estaleiro, o que danificou o navio. O governo espanhol, criou uma estatal para ajudar a reerguer o estaleiro. Mas durante a guerra civil espanhola o governo espanhol contraiu dívidas junto ao Chile e a Espanha então, ofereceu ao governo chileno, o navio, mesmo inacabado. O Chile aceitou e o acordo foi fechado em 1950, para término da construção do navio. Em 1951 os trabalhos fora reiniciados e 1954 a embarcação foi entregue ao Chile.

Outro fato de memória triste é que logo depois do golpe que derrubou Salvador Allende do poder, o navio foi usado como um pequeno centro de detenção e tortura.

Comprimento

113m

Boca

13,11m

Calado

6,9m

Casco

de Aço

Deslocamento

3.610t

Área de Vela

2.870m²

Tripulação Total

314

Ao vento!
Ao vento!Ao vento!
Transmitindo os segredos da Arte Naval
Transmitindo os segredos da Arte NavalTransmitindo os segredos da Arte Naval
O comandante do Cisne Branco (esquerda)
O comandante do Cisne Branco (esquerda)O comandante do Cisne Branco (esquerda)
No convés
No convésNo convés
No convés
No convésNo convés
 

Simon Bolivar

Também construído na Espanha, este veleiro foi lançado ao mar em novembro de 1979 e incorporado a armada venezuelana em agosto de 1980.

Já fez mais de dezessete cruzeiros de instrução e visitou mais de vinte países nas Américas e outros seis na Europa.

Comprimento

82,4m

Boca

10,6m

Calado

4,4m

Casco

de Aço

Deslocamento

1240t

Área de Vela

900m²

Tripulação Total

188

A manutenção nunca acaba
A manutenção nunca acabaA manutenção nunca acaba
Orgulho do nome!
Orgulho do nome!Orgulho do nome!
Pavilhão
PavilhãoPavilhão
Um interior de requinte
Um interior de requinteUm interior de requinte
O timao
O timaoO timao
 

Gloria

O veleiro Gloria da armada colombiana, foi lançado ao mar em 1967 e entregue a armada colombiana no final de 1968.  Desde então vem prestando bons serviços a marinha colombiana.

Mais de 2.400 cadetes e guardas-marinha da armada colombiana já passaram pelos seus decks, navegando com destreza a embarcação.

Comprimento

76m

Boca

10,06m

Calado

4,87m

Casco

de Aço

Deslocamento

1.300t

Área de Vela

1.400m²

Tripulação Total

155

 

 

 

O trabalho de equipe
O trabalho de equipeO trabalho de equipe
O trabalho de equipe
O trabalho de equipeO trabalho de equipe
O trabalho de equipe
O trabalho de equipeO trabalho de equipe
Zarpando
ZarpandoZarpando
Zarpando
ZarpandoZarpando

Guayas

Navio escola da Republica do Equador, Guayas é uma brigue. A barca tem três mastros que recebeu o nome de um cacique Huancavilca, de uma tribo na foz do rio com o mesmo nome (maior rio da costa do Pacífico) e que batizou o primeiro navio a vapor construído na América do Sul. O Guayas foi mandado construir em 1974, nos estaleiros Astilleros y Talleres Celaya de Bilbao na Espanha. No Guayas existem âncoras e hélices reservas, que possui apenas duas pás. Essa característica reduz o peso e facilita sua recolocação no eixo fora de um estaleiro, no caso da perda da hélice principal. No convés de popa, bastante amplo, existe um belíssimo conjunto de timão reserva, com gravação da arma do Equador, uma bítacula de bússola de bronze e um telégrafo de máquinas.               

Comprimento

78,4m

Boca

10,7m

Calado

4,5m

Casco

de Aço

Deslocamento

1.217,82t

Área de Vela

1.611,27m²

Tripulação Total

187

 

Juan Sebastian Elcano

O Juan Sebastian Elcano é o mais antigo dos veleiros que participaram do encontro no Rio de Janeiro.

Construído em 1927 e lançado ao mar em 1928, a embarcação já teve entre seus tripulantes o Rei Juan Carlos I e Sua Alteza Real Don Príncipe Felipe de Bourbon.

Comprimento

113m

Boca

13m

Calado

7,3m

Casco

de Aço

Deslocamento

3.670t

Área de Vela

3.151m²

Tripulação Total

23

Guardas-Marinha

46

Pavilhão
PavilhãoPavilhão
Um marinheiro de água-doce
Um marinheiro de água-doceUm marinheiro de água-doce

Cisne Branco

O veleiro “Cisne Branco” é um veleiro de grande porte (Tall Ship) pertencente à Marinha do Brasil. Foi construído em Amsterdã, Holanda, pelo Estaleiro Damen. Ele teve sua quilha batida em 09 de Novembro de 1998, tendo sido lançado ao mar e batizado em 04 de agosto de 1999, sendo entregue a Marinha Brasileira 04 de Fevereiro de 2000, incorporado a Armada em 09 de marco de 2000. Realizou sua viagem inaugural cruzando o Atlântico, da mesma forma que Pedro Álvares Cabral fez 1500. Uma travessia comemorativa dos “500 anos de Descobrimento do Brasil”. A construção do navio foi realizada em tempo recorde, um ano e três meses e teve como principal propósito permitir ao Brasil participar com um navio de propulsão a vela da histórica travessia em comemoração aos 500 anos. Tem como principais tarefas ser empregado em atividades de representação, nacionais e internacionais, bem como contribuir para melhor formação marinheira, dos futuros oficiais, praças da Marinha do Brasil.

O “Cisne Branco” é o terceiro navio da MB a ostentar este nome. O primeiro foi um veleiro em 79 pés de comprimento, construído em madeira, possuía dois mastros e era tripulado por 20 homens, realizou apenas uma viagem de instrução com Guardas -Marinha, no ano de 1979. O segundo foi um veleiro 83 pés de comprimento, com mastro e casco construído em alumínio. Este substituiu o primeiro e realizou viagens de instrução com Guardas-Marinha, nos anos de 1980 a 1986, quando passou para a escola naval para servir como veleiro de instrução, até o seu descomissionamento no ano seguinte.                  

 Comprimento:

76,00m

 Boca:

10,50m

 Calado:

4,80m

 Casco:

Em alumínio

 Deslocamento:

1038 ton

 Área de Vela:

2195 m

 Tripulação Em Treinamento

31


 

Last Updated on Wednesday, 05 May 2010 13:59
 

Translate

Browse this website in:

Busca Rápida
Serial
(FAB, MB ou EB)


Copyright © 2018 Base Militar Web Magazine. All Rights Reserved. Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.