Presidente da Namíbia visita Escola Naval no RJ Print
Written by Administrator   
Monday, 16 February 2009 01:21

 

Nesta sexta-feira, 13 de fevereiro, a Escola Naval recebeu uma visita ilustre, o Sr Hifikepunye Pohamba, presidente da República da Namíbia, país localizado na costa sudoeste da África. O próprio comandante da Marinha do Brasil Almirante-de-Esquadra Júlio Soares de Moura Neto esteve presente no evento demonstrando a importância que a Marinha dedica a este programa.

A Namíbia é o país, fora da América do Sul, com o mais significativo programa de intercâmbio militar com o Brasil. Coube à Marinha do Brasil auxiliar aquele país no desenvolvimento desde o zero de sua Marinha de Guerra. Até hoje mais de 400 militares daquele país ja cursaram as escolas de formação de marinheiros da Marinha do Brasil, inclusive, neste número, são contados quarentra e oito oficiais que graduaram a Escola Naval desde o início do programa de intercâmbio em 1994. Em janeiro de 2009, com a entrega do Navio Patrulha Brendan Sinbwaye, a Namíbia se tornou o primeiro país, até hoje, a adquirir e receber navios de guerra fabricado no Brasil. Abaixo incluimos uma nota recente da Marinha descrevendo a extenção das relações entre os dois países no campo naval.  

Cooperação Brasil-Namíbia

Um intenso relacionamento entre as Marinhas do Brasil e da Namíbia surgiu quando, a partir de 1994, foi criada uma parceria na formação de pessoal, nos mais diversos níveis, totalizando cerca de 466 vagas utilizadas, sendo 48 para oficiais e 418 para praças.

A realização de um Estágio Inicial para 145 marinheiros, em navios subordinados ao Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste, com a duração de 24 semanas, foi, também, um fator de relevância na relação dessa cooperação integrada entre ambas as Marinhas. 

Em 2001, foi assinado um acordo entre os dois Governos para uma Cooperação Naval, em que a Marinha do Brasil se propôs a fornecer à Namíbia:
- assistência na organização, no âmbito naval da República da Namíbia, de um Serviço de Patrulha Marítima;
- embarcações capazes de satisfazer às necessidades navais; e
- assistência no planejamento e desenvolvimento de uma infra-estrutura apropriada à atracação e suporte logístico para tais embarcações. 

Para o ano de 2009, estão previstas vagas na Escola Naval; no Curso de Aperfeiçoamento para Oficiais em Hidrografia; e no Curso de Formação de Oficiais, no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW). Para as praças, estão previstas cerca de 73 vagas em Cursos de Formação de Marinheiros e de Soldados e em Cursos de Especialização.

Está prevista, também, a ativação de um Grupo de Apoio Técnico de Fuzileiros Navais, composto de 05 oficiais e 16 praças da Marinha do Brasil que, pelo período de um ano, prestará assessoramento para a formação do Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais namibiano; a criação do Curso de Formação de Soldados; e o desenvolvimento do Cerimonial da Marinha namibiana. 

Outras atividades de cooperação ainda serão realizadas, tais como:
- ativação do 4º Grupo de Apoio Técnico à Marinha da Namíbia, previsto para operar no período de fevereiro a julho de 2009, composto por dois oficiais e quatro Suboficiais ou Sargentos brasileiros;
- cooperação com o Estado-Maior do Comando da Marinha da Namíbia, no período de abril a junho deste ano, por meio da troca de experiências; 
- apoio técnico à Marinha da Namíbia, com o embarque de um Capitão-de-Corveta ou Capitão-Tenente e um Suboficial ou Sargento da Marinha do Brasil em navios da Marinha da Namíbia, para assessoramento quanto aos seus empregos; e
- realização de reunião de Estados-Maiores entre a Marinha do Brasil e a Marinha da Namíbia.
 
Para o ano de 2010, já está prevista a realização de Curso de Formação de Marinheiros, com 30 vagas. 
Considera-se, ainda, a possibilidade de fornecimento de medicamentos, em produção pelo Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM) e a oferta de vagas, na área de Saúde, para Cursos de Aperfeiçoamento de Oficiais, como observador, e para Cursos Expeditos de Praças. 

No que tange à cooperação técnica com a Marinha da Namíbia, cabe ressaltar a publicação, em 28 de setembro de 1997, da carta náutica “3931 – Approach to Walvis Bay”, contendo o plano do porto de Walvis Bay, na Namíbia, construída a partir de levantamento hidrográfico realizado pelo NHi “Sirius” e a consultoria nos trabalhos do estabelecimento do limite exterior da plataforma continental daquele país, contemplando a aquisição de dados, o processamento, a confecção de relatório e a preparação do pessoal para apresentação da proposta à Comissão de Limites da ONU.

                                          Entrega de Navio-Patrulha marca cooperação Brasil-Namíbia

A entrega do Navio-Patrulha (NPa) “Brendan Sinbwaye” à Marinha da Namíbia, em cerimônia ocorrida no dia 16 de janeiro em Fortaleza, é apenas um dos pontos de destaque da cooperação entre o Brasil e a Namíbia.

Em 15 de junho de 2004, foi assinado um acordo para fornecimento de um NPa de 200 toneladas e de duas Lanchas-Patrulha para a Marinha namibiana.

O projeto foi gerenciado pela EMGEPRON, empresa pública vinculada ao Ministério da Defesa, por intermédio da Marinha do Brasil, que assumiu a responsabilidade pela supervisão da construção das embarcações, instalação das armas, garantia da qualidade, fornecimento de treinamento operacional e apoio logístico integrado.

Para a construção das embarcações, o Governo da Namíbia selecionou, dentre diversos estaleiros no Brasil, a Indústria Naval do Ceará - INACE, localizada em Fortaleza, uma vez que essa empresa já possuía a tecnologia necessária à execução de projetos militares, obtida com a construção de dois NPa Classe “Grajaú” para a Marinha do Brasil.

Essa iniciativa de sucesso abre perspectivas para a exportação de outros meios navais para diversos países, com emprego de tecnologia nacional e participação de empresas brasileiras, fornecedoras de equipamentos e sistemas navais.  

 

Last Updated on Monday, 16 February 2009 09:07