China comemora 60º aniversário de fundação de sua marinha Print
Written by Administrator   
Monday, 18 May 2009 15:20

Presidente da China Hu Jintao observa a parada naval  O navio de apoio canadense Protecteur Fragata francesa Vendemiaire

De Cingapura veio o RSS Formidable O Cruzador Russo da Classe Slava: Varyag. Ao fundo o navio de apoio logístico russo. A fragata F-018 Osman de Bangladesh O INS Ranvir, no porto, ficou a contrabordo do INS Mumbai

Veleiro de treinamento ARM Cuauhtemoc BE-01 da Armada do México Fragata Coreana KDX2 Navio tanque australiano HMAS Success Navio patrulha HMAS Pirie da Austrália

Fragata paquistanesa Badr (Type 21) Navio-tanque paquistanês Nasr KDX2 coreana 

 

China encerra comemoração do aniversário da Marinha com grande parada naval

 

A China encerrou os quatro dias de comemoração pelo 60º aniversário da fundação da Marinha do Exército de Libertação Popular da China (People's Liberation Army Navy - PLAN) na quinta-feira com uma grande parada naval de navios da PLA Navy e um international fleet review, com convidados de diversos países.

 

A parada naval da PLA Navy, foi apenas a quarta a ser realizada na China desde 1949, mas a primeira a ser realizada nesta escala internacional. Foram apresentados 25 dos navios da Marinha do PLA, incluindo dois submarinos movidos a energia nuclear, e 31 aeronaves navais.

 

A parada foi seguida por um “international fleet review” que contou com a presença de 21 navios estrangeiros, oriundos de 14 países, incluindo o destróier dos EUA, o USS Fitzgerald e o cruzador russo CG-011 Varyag.

 

Em meio ao som da música "March of the Review," uma melodia chinesa normalmente tocada em ocasiões formais, os navios estrangeiros se alinharam numa grande fila com escoltas na frente navios de desembarque, navios de apoio e um navio a vela de instrução. Todos os navios estrangeiros levavam suas bandeiras nacionais no alto do mastro principal.

 

O presidente chinês Hu Jintao, a bordo do destróier da marinha chinesa Shijiazhuang, acompanhou o desfile na tarde de quarta-feira de navios e aeronaves em uma parada memorável ao largo da costa da cidade de Qingdao.

 Fragata tailandesa Taksin  Navio de apoio logistico neo-zelandês

Caças-bombardeiros Flying Leopard FBC-1 da Aviação Naval da China Parada Naval Destróier indiano RanvirSubmarino lançador de mísseis balísticos chinês

Tripulação de navio chinês em posição de saudação Repórteres documentam a parada Reporteres documentam o IFR

 

 

Mais de 200 oficiais estrangeiros lotados nas embaixadas em Pequim, repórteres e chineses de vários segmentos da população seguiram Hu desde o navio de observação Zhenghe. Este navio recebeu este nome em homenagem ao explorador marítimo chinês que navegou 600 anos atrás.

 

Seguindo o Contra-Almirante Zhang Shiying, vice-comandante da Esquadra do Mar do Norte (Beihai), cada um dos navios e aeronaves exibidas na parada eram de construção e projeto independente chinês, representando o patamar mais avançado do equipamento em, uso pela PLA Navy.

 

Todos os submarinos e aeronaves, assim como a maioria dos navios de superfície chineses, vieram da Frota Beihai, baseada em Qingdao.

 

"Nosso objetivo é de exibir com destaque o desenvolvimento da Marinha do PLA nestas últimas seis décadas," disse Zhang.

 

O Comandante da PLA Navy, Commander Admiral (Almirante) Wu Shengli, também contou que a celebração visava demonstrar a determinação e a capacidade da China de manter os oceanos pacíficos e harmoniosos junto com outras nações.

 

"A Marinha do PLA está disposta a usar o international fleet review como uma oportunidade para aumentar a cooperação e o intercâmbio com nossos equivalentes internacionais, para  melhor proteger a segurança no mar," ele disse.

 

A parade da tarde de quinta-feira também apresentou a primeira exibição pública de dois modelos de submarinos nucleares, o Longa Marcha 6 e o Longa Marcha 3.

"Esta foi a primeira vez em que pude ver um submarino nuclear chinês tão perto de mim, além de tantos outros armamentos avançados exibidos pela primeira vez nesta parada naval." Disse o coronel Patrick Sice, Adido de Defesa  na Embaixada da França em Beijing, a bordo do navio de observação Zhenghe.

"Ao convidar tantos países para este desfile, a China demonstra que pretende se abrir ainda mais no futuro, e que estará mais disposta a cooperar, de forma ainda mais profunda, no Golfo de Aden e em outras regiões."

 

"A China está surgindo como uma potência global e não nada de errado com a modernização da Marinha, e das demais forças armadas da China. Mas, mais poderio também obriga a se ter mais responsabilidade e mais transparência. Sem isso um país perderá a confiança das demais nações," ele completou.

 

Na manhã de quinta, a China afirmou uma vez mais que a expansão militar do país é meramente orientada à sua defesa.

 

Num encontro com os chefes das 29 delegações navais reunidas aqui, o presidente chinês Hu Jintao prometeu que as Forças Armadas da China, incluindo a marinha do PLA, nunca seriam uma ameaça para outras nações.

 

A China será sempre uma força importante para a garantia da paz mundial e para o desenvolvimento, ele disse.

 

"Agora e no futuro, a China nunca irá buscar a hegemonia, nem ela se envolverá em corridas armamentistas com outras nações," completou ele.

 

A Marinha do PLA será mais aberta e ativa na cooperação para a segurança marítima internacional no futuro e incansavelmente trabalhará na direção do objetivo de construção de um oceano harmonioso, disse também Hu.

 

As palavras de Hu foram elogiadas pelo Lt. Commander Adnan da Marinha do Paquistão, que disse que a Marinha Chinesa estava se erguendo forte entre as principais forças navais do mundo.

 

A PLA Navy é uma força indispensável para a manutenção da paz mundial, disse ele.

 

Navios estrangeiros presentes a este evento

Um total de 21 navios de 14 países visitaram a China nesta ocasião:

O primeiro navio da coluna era o cruzador russo CG-011 Varyag, um navio que desloca 11,500 toneladas, comisionado em 1989, com tripulação de 529.

O destróier americano baseado no Japão, USS Fitzgerald, da Sétima Frota, um destroíer da classe Arleigh Burke, deslocando 6,800 toneladas, representa o ápice da tecnologia americana neste campo.

Comissionado em outubro de 1995, the USS Fitzgerald leva 280 praças e oficiais.

Destróier indiano da classe Delhi, o D62 Mumbai, comissionado em 2001, tem um complemento de 328 militares e um deslocamento de 6,700 toneladas.

O outro navio indiano presente a Quingdao era o INS Ranvir, comissionado em 1986, sendo o quarto destróier da classe Rajput contruído pela Índia.

O DDH-979 Gang Gam Chan, comissionado em 2007, é um dos destróieres de nova geração da República da Coreia, os KDX-II. O destróier da classe Chungmugong Yi Sunshin tem um complemento de 200 pessoas e desloca 5,500 toneladas.

O PNS Badr 184, é a ex HMS Alacrity, uma das seis fragatas Type 21 transferidas ao Paquistão pela Grã-Bretanha em 1994, após longa carreira na Royal Navy. Ele tem um deslocamento de 3,641 toneladas e uma tripulação  composta de 284 marinheiros e oficiais.

A fragata classe Anzac frigate F111 Te Mana da Nova Zelândia, comissionada em 1999, tem uma tripulação de 163 militares e desloca 3,600 toneladas.

A fragata multifunção stealth de Cingapura F68 Formidable desloca 3,200 toneladas e tem um complemento enxuto de 90 militares.

A fragata tailandesa Taksin 622 foi construída na China e vendida à Tailândia em 1995. O navio tem tripulação de 299 praças e oficiais e um deslocamento de 2,980 toneladas.

A FFG-456 Bangpakong da Marinha da Tailândia também foi adquirida da China. O navio desloca 1,924 toneladas e sua tripulação é de 299.

A fragata leve francesa F734 Vendemiaire, com um deslocamento de 2,600, já visitou a China por sete vezes, incluindo uma visita em 2002 visita à Qingdao.

O BNS F18 Osman, uma fragata leve da classe Type 053H1, comprada da China in 1989, é a primeira fragata lança-mísseis de da Marinha de Bangladesh. Ela desloca 1,700 toneladas e é tripulada por 300 homens.

O Navio Patrulha australiano HMAS Pirie apresenta uma tripulação de apenas 21 e tem um deslocamento 270 toneladas.

O LPH-6111 Dokdo, uma navio de ataque anfíbio da classe Dokdo da Marinha sul Coreana foi o maior navio de guerra presente no fleet review. O deslocamento do navio alcança 19,000 toneladas com uma tripulação de 400.

Anteriormente o "Sir Galahad", da Royal Fleet Auxiliary do Reino Unido,  o G29 NDCC Garcia D'Avila  foi comissionado na Marinha do Brasil em 2007. O navio de desembarque tem um deslocamento de 8,585 toneladas.

O canadense AOR-509 Protecteur é um navio tanque do Comando Marítimo das Forças Armadas Canadenses. Ele desloca 25,676 toneladas e é tripulado por 335 homens e mulheres.

O australiano HMAS AOR-304 Success é uma derivação da classe francesa Durance de navios de reabastecimento logístico (óleo e multi-produtos), com um complemento de 237 militares e um deslocamento 17,966 toneladas.

O paquistanês PNS A47 Nasr, construído no estaleiro chinês Dalian Shipyard em 1988, carrega 319 homens. Seu deslocamento é de 14,962. O navio visitou Shanghai em 2003 e participou do primeiro exercício Sino-Paquistanês de resgate marítimo.

Os neo-zelandeses também truxeram seu navio de reabastecimento All Endeavour, o atual navio tanque da Royal New Zealand Navy. Ele tem um complemento de 319 militares e um deslocamento de 12,390 toneladas.

O navio auxiliar russo MB-99 tem uma tripulação de apenas 38, com um deslocamento de 1,460 toneladas.

Encerrando a coluna dos visitantes o veleiro mexicano ARM Cuauhtemoc BE-01 recebeu seu nome em homenagem ao último imperador asteca Cuauhtemoc, que foi capturado e executado em 1525. Seu complemento é de 263 instrutores e alunos com uma tonelagem de 1,800.  

 

 

  Texto original:China concludes celebration of navy anniversary with grand fleet review  Chinese President Hu Jintao, aboard the Chinese Navy destroyer Shijiazhuang, reviewed Thursday afternoon warships and aircraft in a landmark naval parade off the coast of Qingdao.China concluded a four-day celebration for the 60th anniversary of the founding of the People's Liberation Army (PLA) Navy Thursday, with an unprecedented parade of PLA Navy warships and an international fleet review.The PLA Navy parade, the fourth staged in China since 1949, but the first on such a large and international scale, displayed 25 of the PLA Navy's vessels, including two nuclear-powered submarines, and 31 naval aircraft. The parade was followed by an international fleet review which saw the participation of 21 foreign vessels from 14 countries, including the United States's destroyer USS Fitzgerald and the Russian cruiser CG-011 Varyag. Amid the rhythms of "March of the Review," a Chinese melody usually played for formal occasions, the foreign vessels lined up in a row in the order of combatant ships, landing craft, auxiliary ships and a sailing ship for training. All the foreign ships flew their flags at full-staff. Chinese President Hu Jintao reviewed the Chinese-made warships and their foreign counterparts from onboard the PLA Navy destroyer Shijiazhuang in waters off the port city Qingdao. More than 200 military officers from foreign embassies in China, reporters and Chinese people from various social circles observed the fleet review on the viewing ship Zhenghe. The ship was named after a Chinese maritime explorer who sailed about 600 years ago. According to Rear Admiral Zhang Shiying, deputy commander of the PLA Navy's Beihai (North Sea) Fleet, all the Chinese vessels and aircraft paraded were independently designed and made by China, and represented the latest stage of PLA Navy equipment. All the submarines and aircraft, and the majority of the warships included in Thursday's parade came from the Qingdao-based Beihai Fleet. "The goal is to showcase the development of the PLA Navy over the past six decades," Zhang said. PLA Navy Commander Admiral Wu Shengli also said the celebration was aimed to demonstrate China's determination and capability to maintain a peaceful, harmonious ocean together with other nations. "The PLA Navy is willing to take the international fleet review as an opportunity to enhance cooperation and exchange with our foreign counterparts to better protect maritime safety," he said. Thursday afternoon's PLA Navy parade also featured the maiden show of two Chinese nuclear submarines, the Long March 6 and the Long March 3. It was the first-ever public appearance of the PLA Navy's nuclear submarines. "It has been the first time to see a Chinese nuclear submarine so close to me and many other advanced weaponry in the naval review," said Colonel Patrick Sice, Defense Attache with Embassy of the Republic of France to China, onboard the viewing ship Zhenghe. "To invite so many countries to the review shows that China would open more to foreign countries and in the future more willing to cooperate deeper in the Gulf of Aden and other regions." "China is emerging as a global power and there is nothing wrong with China's modernization of its navy and other armed forces. But more power means more responsibility and transparency. Otherwise you will lose confidence from the others," he said. On Thursday morning, China asserted once again that the country's military build-up was purely defense-oriented. In a meeting with heads of 29 foreign navy delegations gathered here to attend the PLA Navy celebration Thursday morning, Chinese President Hu Jintao pledged that China's armed forces, including the PLA Navy, would never be a threat to other nations.China would always be an important force in safeguarding world peace and development, he said."For now and in the future, China would never seek hegemony, nor would it turn to military expansion or arms races with other nations," he said. The PLA Navy will be more open and practical in international maritime security cooperation in the future and unremittingly work towards the goal of building an harmonious ocean, Hu said. Hu's words were lauded by Lt. Commander Adnan of the Pakistan Navy, who said China's navy was emerging among the world top naval forces.The PLA Navy is an indispensable force to maintain world peace, he said.

 

Last Updated on Tuesday, 19 May 2009 14:27